Eleições 2016: PT tem o menor número de candidatos em 20 anos

Até o momento, partido soma 1.135 candidatos à prefeito em todo o Brasil, uma redução de 35% em relação à eleição de 2012, quando 1.759 pariticipara da disputa. Lava Jato e processo de impeachment da presidente Dilma estão entre as razões da redução

O número de candidatos do Partido dos Trabalhadores que vão disputar as eleições deste ano alcançou o menor patamar em 20 anos. Segundo levantamento realizado pelo jornal O Estado de S.Paulo junto ao Diretório Nacional do partido, a sigla tem, até o momento, 1.135 candidatos à prefeito em todo o Brasil, uma redução de 35% em relação à eleição de 2012, quando 1.759 participaram da disputa. Em 1996 o partido concorreu com 1.077 candidatos.

PT se camufla nas eleições para reduzir desgaste

O cenário de redução do número de candidatos se repete em todas as regiões do país e, segundo dirigentes do partido, é consequência da crise pela qual o partido atravessa. A única exceção é o Piauí, estado governado por Wellington Dias (PT), onde a quantidade de candidaturas aumentou: de 49 nas eleições de 2012 para 70 neste ano.

O secretário nacional de Organização do PT, Florisvaldo Souza, acredita que o volume de candidaturas ainda vai aumentar até o encerramento do prazo, que vai até o dia 15 deste mês. Mas ainda assim ficará abaixo dos anos anteriores. A cúpula do partido avalia que entre as razões para a diminuição de candidaturas estão o sentimento antipetista reforçado pelas revelações da Operação Lava Jato, o fim das doações empresariais para campanhas e o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Este último fato impactou principalmente no Rio de Janeiro, onde PT e PMDB eram aliados tanto no governo estadual quanto na prefeitura da capital. Em 2012 foram 34 candidatos, este ano são nove.

Em São Paulo, maior colégio eleitoral do país, o número de candidatos caiu de 259, em 2012, para 116 neste ano. Para Florisvaldo, o processo de impeachment afetou as principais legendas e abriu a possibilidade de formação de novos pólos de disputa. "O ‘golpe’ impactou toda a política brasileira. Não é só o PT que vai ter menos candidatos. O PSDB também vai. Por outro lado, partidos menores como PDT e PSB vão disputar mais cidades. Depois de mais de duas décadas de PT versus PSDB, estão se formando outros polos", avalia o secretário.

O partido, porém, se camufla entre outras legendas de esquerda, como PDT, PCdoB e Psol, para disputar cargos.

Leia a reportagem completa no jornal O Estado de S.Paulo

Mais sobre Eleições 2016

Mais sobre partidos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!