Eduardo Cunha diz ser ‘pouco provável’ Congresso aprovar volta da CPMF

Governo federal anunciou nesta segunda-feira a intenção de recriar a contribuição para equilibrar a economia

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse há pouco ser “muito pouco provável” que seja aprovada no Congresso o retorno da Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF), com alíquota de 0,2%, como anunciado pelo governo nesta segunda-feira (14). “O Executivo está com base muito frágil aqui. Além de estar com uma base muito frágil, o tema por si só já é polêmico”, afirmou Cunha.

De acordo com Cunha, haverá muita dificuldade em se aprovar o retorno da CPMF porque a discussão no Congresso será longa, até por se tratar de uma alteração na Constituição.

“O tempo de uma matéria dessa tramitar é muito longo. Basta vocês verem que a DRU [Desvinculação de Receitas da União] ainda não saiu da CCJ [Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania]", destacou. "O governo tem muita dificuldade de passar uma emenda constitucional de CPMF. Acho muito pouco provável”, reiterou.

 

Anúncio do governo

Nesta segunda-feira (14), os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, anunciaram que o governo pretende cortar R$ 26 bilhões em gastos no orçamento de 2016, além de defender o aumento de tributos e a volta da CPMF. Segundo o Executivo, as medidas irão resultar em um esforço fiscal de R$ 64,9 bilhões, a fim de equilibrar a economia para garantir um superavit primário de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB).

Cunha, porém, elogiou algumas medidas anunciadas pelos ministros, como o congelamento do reajuste de servidores até agosto do ano que vem em vez de um aumento em janeiro. Com a alteração, o governo pretende economizar R$ 7 bilhões.

Mais sobre orçamento

Mais sobre economia brasileira

 

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, disse há pouco ser “muito pouco provável” que seja aprovada no Congresso o retorno da Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira (CPMF), com alíquota de 0,2%, como anunciado pelo governo nesta segunda-feira (14). “O Executivo está com base muito frágil aqui. Além de estar com uma base muito frágil, o tema por si só já é polêmico”, afirmou Cunha.

Gustavo Lima / Câmara dos Deputados
Presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ), concede entrevista
Cunha: além de o governo estar com uma base muito frágil, o tema por si só já é polêmico

De acordo com Cunha, haverá muita dificuldade em se aprovar o retorno da CPMF porque a discussão no Congresso será longa, até por se tratar de uma alteração na Constituição.

“O tempo de uma matéria dessa tramitar é muito longo. Basta vocês verem que aDRU [Desvinculação de Receitas da União] ainda não saiu da CCJ [Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania]", destacou. "O governo tem muita dificuldade de passar uma emenda constitucional de CPMF. Acho muito pouco provável”, reiterou.

Anúncio do governo
Nesta segunda-feira (14), os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, anunciaram que o governo pretende cortar R$ 26 bilhões em gastos no orçamento de 2016, além de defender o aumento de tributos e a volta da CPMF. Segundo o Executivo, as medidas irão resultar em um esforço fiscal de R$ 64,9 bilhões, a fim de equilibrar a economia para garantir um superavit primário de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB).

Cunha, porém, elogiou algumas medidas anunciadas pelos ministros, como o congelamento do reajuste de servidores até agosto do ano que vem em vez de um aumento em janeiro. Com a alteração, o governo pretende economizar R$ 7 bilhões.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!