Dono da UTC diz que pagou propina na Petrobras por medo de perder contratos

Depois de uma rápida introdução, empresário preferiu ficar em silêncio, amparado por uma decisão do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal

O empresário Ricardo Pessoa, dono da empreiteira UTC, disse nesta terça-feira (15), aos integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras, que pagou propina na petrolífera estatal por medo de perder contratos e comprometer a empresa.

“Eu não achava justo que a trajetória vitoriosa da UTC fosse interrompida. Denunciar as vantagens indevidas poderia ser danoso à empresa. Cedi aos pedidos e paguei para manter o direito de a minha empresa existir”, disse, no início da sessão da CPI da Petrobras.

Pessoa compareceu à CPI amparado por um habeas corpus concedido pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, que dá a ele o direito de não responder as perguntas dos deputados. Por isso, após ler uma carta, ele afirmou que não responderia aos questionamentos dos deputados. “Tenho o direito de permanecer calado diante da CPI e tudo o que tinha a dizer está nos anexos dos depoimentos à Justiça Federal”, ressaltou.

O presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB) perguntou se ele falaria em uma sessão reservada. "Com todo o respeito, vou permanecer em silêncio”, reafirmou.

Antes de ser interrogado, Pessoa leu um texto em que afirma ter perdido 15 quilos desde a prisão e fez uma defesa da UTC. Ele disse que a empreiteira tinha 30 mil empregados e faturamento de R$ 5 bilhões antes da Operação Lava Jato.

O empresário disse que sua opção por colaborar com a Justiça não é decorrente de vingança ou acerto de contas. Ele disse que mudou desde novembro do ano passado, quando foi preso. “As pessoas que trabalham na UTC não tem responsabilidade sobre os meus atos”, afirmou.

O empresário é apontado pela Polícia Federal e Ministério Público Federal como o coordenador do cartel de empreiteiras que pagava propinas a diretores, políticos e partidos em troca de contratos. É a terceira vez que a CPI marca o depoimento do empresário, convocado a pedido de dez deputados, a maioria deles da oposição.

A presença dele é uma das mais aguardadas pela CPI em razão da menção que ele teria feito, em depoimentos ainda mantidos em sigilo, a respeito das campanhas da presidente Dilma Rousseff em 2010 e 2014.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, Pessoa disse na Justiça que repassou R$ 3,6 milhões ao PT, dinheiro que teria sido usado na campanha de Dilma Rousseff. O comitê de campanha de Dilma negou a informação.

Em junho, a revista Veja informou que Pessoa teria mencionado 18 políticos como beneficiários de dinheiro desviado da Petrobras.

Com informações da Agência Câmara

Mais sobre a CPI da Petrobras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!