Divergência no PT suspende grupo de reforma política

Henrique Eduardo Alves resolvou segurar a instalação da comissão até parlamentares petistas decidirem o representante do partido. Decisão deve ficar para a Executiva Nacional

Uma divergência dentro da bancada do PT resultou na suspensão da instalação do grupo de trabalho responsável pela análise da reforma política. Enquanto o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), indicou o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) para coordenar o grupo, petistas defendem a indicação de Henrique Fontana (PT-RS), que relatou as propostas que estão na pauta.

Após a decisão de Henrique Alves, nem o presidente muito menos os dois deputados quiseram se pronunciar. A expectativa é que a decisão do representante do PT seja decidido em conjunto pelo líder do partido na Câmara, José Guimarães (CE), e o presidente nacional da legenda, Rui Falcão. Uma reunião entre Guimarães, Falcão, Fontana e Vaccarezza está prevista para sexta-feira (12).

Inicialmente, Henrique Alves tinha decidido que a comissão teria 14 integrantes - 13 membros e um coordenador. No caso, Vaccarezza. A divisão seria proporcional ao tamanho das bancadas, mas cada partido teria apenas um representante. Por isso, a briga dentro do PT. Como Fontana tinha relatado as propostas por dois anos, pleiteava a vaga.

"Houve um curto-circuito já suspendi a instalação dos trabalhos porque uma comissão que quer resolver não pode começar não resolvendo ela própria já transferi para a próxima semana para que unifique o PT", afirmou Henrique Alves.

Mais sobre a reforma política

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!