Diretores querem entregar cargos por melhorias na PF

Chefes regionais e setoriais da Polícia Federal pressionam o governo por indenização de fronteira, aumento de equipes de investigação e melhores condições de trabalho

Os diretores regionais e setoriais da Polícia Federal (PF) pretendem entregar, a partir de julho, seus respectivos cargos de chefia com o intuito de pressionar o governo federal por melhorias na estrutura da corporação. Os delegados também pressionam o diretor-geral da PF, Leandro Daiello, a deixar a função caso o governo federal não melhore as condições de trabalho do órgão.

Eles reclamam atualmente que a PF não tem equipes mínimas de investigação nas unidades, que há carência de servidores administrativos – muitos deles substituídos por mão de obra terceirizada – e que não houve regulamentação da chamada indenização por trabalho em fronteira, dois anos depois de o governo federal ter assumido esse compromisso com os policiais.

Além disso, os delegados também reivindicam a criação dos chamados gabinetes de investigação criminal, o que facilitaria o trabalho de apuração de casos considerados complexos. Na primeira quinzena deste mês, estava prevista uma reunião entre representantes dos advogados da PF e o Ministério do Planejamento. Mas o encontro acabou cancelado pelo governo, que alega dificuldades em efetuar melhorias em qualquer uma das carreiras em função dos cortes ocorridos em 2015, determinados pelo ajuste fiscal.

Segundo a Associação dos Delegados da Polícia Federal (ADPF), “nenhum prejuízo será causado às investigações policiais em curso nem as demais atividades da Polícia Federal”, inclusive as ações da Operação Lava Jato, com a entrega dos cargos de chefia.

Perdas

Atualmente, os delegados da PF ganham uma comissão mensal de aproximadamente R$ 170 por cargos de chefia. “Uma autoridade policial que preside importantes e sensíveis inquéritos não tem sequer funções em quantidade e valores dignos para formar um gabinete de investigação”, afirmou o presidente da ADPF, Marcos Leôncio.

Segundo dados da ADPF, um delegado federal de último nível ganha menos que os delegados de polícia estadual em dez estados: Amazonas, Amapá, Maranhão, Piauí, Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, Paraná e Rio Grande do Sul.

Ainda de acordo com a associação, os delegados da PF tinham uma remuneração equiparável ao juízes e procuradores nos anos de 1990. Atualmente, conforme a entidade, o salário de um delegado federal é semelhante ao das chamadas carreiras auxiliares da magistratura, como os técnicos judiciários, por exemplo.

Saiba mais sobre a Polícia Federal

Saiba mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!