Dirceu deve ser julgado na semana das eleições

Decisão do relator Joaquim Barbosa deixou análise da acusação de corrupção ativa por último. Estimativa dos ministros é que votos ocorram na primeira semana de outubro

Mensalão: entenda o que será julgado
Veja quem são os réus, as acusações contra eles e suas defesas
Tudo sobre o mensalão

A expectativa é que Joaquim Barbosa, o relator do mensalão, termine amanhã (20) seu voto sobre o item 6 da denúncia. Projeção feita pelos ministros colocaria a acusação de formação de quadrilha para começar em 1º de outubro. Os integrantes da corte rejeitam que tenha sido feita de forma proposital para coincidir com o pleito. A justificativa é que houve "coincidência" e é o próprio processo que determina o ritmo.

No entanto, o item 6 é considerado pelo relator como a parte mais complexa da acusação. Especialmente pela quantidade de réus. São 23 pessoas acusadas de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Na sessão de hoje, ele optou em deixar a acusação de corrupção ativa para o final. Joaquim, antes da sessão, sugeriu a Lewandowski deixar Dirceu, Genoíno e Delúbio por último. A justificativa é que facilita a compreensão e pelo desgaste físico do próprio relator.

Porém, a sugestão de Joaquim, acatada por Lewandowski, coincide com justamente com a semana anterior das eleições. O primeiro turno está marcado para 7 de outubro. A análise da corrupção ativa começaria, em tese, seis dias antes, com a leitura do voto do relator. Depois, vem o revisor e os outros ministros para tratar da acusação. Além de Dirceu, Genoíno e Delúbio, também são acusados de corrupção ativa Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz,  Rogério Tolentino, Simone Vasconcellos, Geiza Dias e Anderson Adauto.

Ele trata da compra de votos na base aliada ao então presidente Lula entre 2003 e 2005. O ministro relatou a assessores que deve ocupar metade da próxima sessão para analisar as acusações de corrupção passiva contra integrantes do PMDB. Até hoje, ele votou pela condenação de políticos do PP, PL (hoje PR) e PTB também por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Joaquim: Jefferson cometeu crime de corrupção
Relator enquadra Valdemar em formação de quadrilha
Joaquim condena Valdemar por corrupção e lavagem
Valdemar recebeu mais de R$ 10,8 milhões do PT
Relator sinaliza com novas condenações de políticos

Depois do intervalo, o revisor do mensalão, Ricardo Lewandowski, inicia seu voto. Ele estimou hoje, após a sessão, que leve até dois dias lendo sua posição sobre os temas colocados por Joaquim até agora. Desta forma, os outros integrantes da mais alta corte do país começariam a votar na próxima quarta-feira (26). Nos dois primeiros itens, a média foi de cinco sessões para cada capítulo. Já o terceiro, da lavagem de dinheiro, consumiu apenas três reuniões em plenário. "Eu devo levar entre uma sessão e meia e duas sessões para apresentar o voto", explicou Lewandowski.

Leia também:

Julgamento do mensalão deve avançar novembro

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!