“Dilma quer responder olho no olho de cada senador”, diz petista

Além de contar com a presença do ex-presidente Lula durante a sessão, parlamentares contrários ao impeachment afirmam que a presidente afastada está "preparada para o confronto". Oposição diz que não pretende entrar em confronto

Cresce a expectativa em torno da vinda da presidente Dilma Rousseff ao Senado na próxima segunda-feira (29), quando ela apresentará sua defesa e responderá perguntas dos senadores. Além de contar com a presença do ex-presidente Lula durante a sessão, parlamentares contrários ao impeachment afirmam que a petista está "preparada para o confronto", enquanto senadores favoráveis à sua saída garantem que não pretendem protagonizar discussões acaloradas com a presidente afastada, tal como tem sido visto nos dois primeiros dias do julgamento.

"A presidente é preparada para confronto, a presidente quer vir, responder preguntas uma a uma. Ela não vai ter medo, se alguém acha que vai intimidar a presidente porque está acontecendo isso está enganado", disse Lindbergh Farias (PT-RJ), que trocou acusações com o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) nos dois primeiros dias do julgamento. "Se alguém acha que a presidente tem medo de ‘Seu’ Caiado, está muito enganado. Ela vem aqui e quer responder olho no olho cada senador. Ela vai mostrar na próxima segunda-feira sua inocência para todo o Brasil", argumentou o petista.

"Da nossa parte você pode ter a certeza absoluta de que nós vamos nos comportar dentro daquela liturgia própria que se deve interrogar uma presidente da República: com todo respeito, com toda firmeza e com as colocações muito bem fundamentadas", garante Caiado. "Da nossa parte não terá esse viés, agora, da parte deles eu não posso responder", provoca o senador.

Na sessão destinada à oitiva de Dilma, a presidente afastada terá 30 minutos para apresentar sua defesa e responderá aos questionamentos dos senadores. Ela se reunirá com a bancada de aliados no domingo e fará uma preparação intensiva para enfrentar as perguntas.

A preparação incluirá as orientações de seu advogado, José Eduardo Cardozo, que acompanha desde o primeiro dia as sessões do julgamento final. O texto final da defesa de Dilma ainda está em construção, e deverá ser concluído no final de semana. A avaliação é de que se o momento de apresentação da defesa da presidente der lugar à troca de acusações e agressões verbais entre os senadores, a instituição será a maior prejudicada, e não Dilma - que pode, inclusive, contar com esse tipo de situação como um elemento a seu favor.

Coautora da denúncia contra Dilma, a advogada Janaína Paschoal disse que não pretende protagonizar embates com a presidente. "Eu sempre refutei argumentos, eu nunca ofendi ninguém, nunca acusei ninguém de nada. Só que eu não posso me calar diante de mentiras, de argumentos que são distorcidos", disse a advogada

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!