Dilma promete carta aberta contra aborto

Candidata do PT se compromete a não propor qualquer alteração na lei sobre temas sensíveis aos cristãos, como aborto e união civil entre parceiros do mesmo sexo

Mário Coelho

A candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, aceitou nesta quarta-feira (13) publicar uma carta aberta afirmando que não vai modificar a legislação brasileira na questão do aborto e que é contra o casamento de pessoas do mesmo sexo. Após encontro com 51 líderes de igrejas evangélicas em Brasília, a petista assumiu o compromisso de não enviar propostas legislativas ao Congresso tratando de temas polêmicos para os cristãos.

“O que nós decidimos é que eu não mandaria nenhuma legislação que afetasse a questão relativa a qualquer legislação que altere questões que impactem na religião. O Estado brasileiro é laico e essa legislação eu não enviaria ao Congresso, tanto alteração na lei de aborto, quanto todas as outras", afirmou Dilma aos jornalistas após a reunião. Os líderes, em contra partida, vão apresentar um documento prestando apoio à candidatura da ex-ministra da Casa Civil. A carta deve ser publicada até sábado (16).

Dilma também explicou que o projeto de lei que trata da criminalização da homofobia traz pontos que não são aceitáveis. “A parte relativa a condenar o preconceito contra o homossexual, nós todos temos que endossar. Agora, a parte relativa a criminalizar as igrejas é um absurdo. Criminalizar, colocar punição, é um absurdo, é um excesso”, disse. Para a petista, não se trata de condenar a união civil homoafetiva. Ela afirmou que isso é um direito já consolidado. Porém, o casamento é uma instituição religiosa. Por isso, cada igreja deve resolver o assunto internamente.

“Vamos tratar de desmistificar todos esses boatos que estão penetrando as igrejas, e enganando pessoas crédulas e bem intencionadas. Esta onda de boatos não constrói o Brasil. Ao contrário, pode até trazer um cisma, o ódio entre as religiões, que é o que a gente menos quer”, disse o senador reeleito pelo Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB-RJ), que é da Igreja Universal do Reino de Deus. Na visão dela, Dilma tem "posições claras" sobre os assuntos, mas tem "sido vítima de uma onda de boatos que distorcem suas posições".


Veja ainda:

Tudo sobre as eleições de 2010

Dilma minimiza aborto e parte para a briga com Serra

Serra comete ato falho e diz ser a favor do aborto

As eleições e os aproveitadores da boa fé

O aborto e as contradições de Dilma

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!