Interesse estadual se sobrepõe ao PT, diz petista

Senador afirma que apelos do governo contra revisão de dívidas estaduais e convalidação de benefícios fiscais ficam em segundo plano diante dos interesses de cada estado. “Não tem PT”, avisa Walter Pinheiro sobre votações previstas para terça

A menos que o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, retorne ao Senado com alguma carta na manga para negociar a revisão das dívidas de estados e municípios com a União, o governo Dilma Rousseff vai sofrer mais uma derrota no Congresso nesta terça-feira (7), quando a matéria entrar em votação no plenário. Trata-se do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 15/2015, na pauta em regime de urgência, que obriga a União a assinar no prazo máximo de 30 dias novos contratos com os entes federativos, reduzindo o índice de correção das dívidas que eles pagam à administração federal. Nem o PT nem qualquer outro partido da base se mostra disposto a votar com o Planalto.

O impacto da medida é estimado em R$ 3 bilhões anuais, tudo o que Levy – e, principalmente, Dilma – não quer em tempos de ajuste fiscal. Como este site mostrou em 26 de março, o socorro a estados e municípios levou à rara situação em que base aliada e oposição se uniram para votar contra o governo. Por se tratar de questões referentes aos redutos eleitorais dos parlamentares, com implicações que vão além das diferenças partidárias, o governo deixa de ter o controle da situação na hora do voto.

Para o senador Walter Pinheiro (PT-BA), um dos senadores que mais têm se manifestado contra os rumos do governo em relação ao pacto federativo, a fidelidade partidária abre espaço para as demandas regionais nesses casos. Questionado pelo Congresso em Foco sobre o tratamento que seu partido dará ao PLC 15/2015, ele foi direto. “Não tem PT. A questão do pacto federativo envolve a participação de cada senador em seu estado. Na bancada do PT, por exemplo, Marta [Suplicy] defende São Paulo. Eu defendo a Bahia. Temos interesses diferentes. Essa é uma matéria em que partido algum, bancada alguma vai centralizar seus membros”, avisou o petista baiano.

Walter Pinheiro faz menção ao início dos debates em plenário a respeito de dois dos itens do pacto federativo há anos discutido – e emperrado – no Senado: além da revisão das dívidas (PLC 15/2015), senadores começaram a deliberar sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 130/2014, também tramitando em regime de urgência, que convalida os incentivos fiscais concedidos por estados ao setor produtivo – prática que fomenta o que se convencionou chamar de “guerra fiscal”. Mas diante das divergências explicitadas de lado a lado já na fase inicial de discussão de mérito dos projetos – um sinal do tensionamento que vem por aí –, além de contestações regimentais e acusações de quebra de acordo entre as lideranças, a votação foi adiada para depois do feriado da Páscoa.

Tanto um quanto o outro projeto tem tirado o sono do ministro Levy. Na última terça-feira (7), quando debateu com senadores por mais de sete horas na Comissão de Assuntos Econômicos, ele fez um apelo aos governadores: estados não devem se antecipar e convalidar incentivos fiscais antes que sejam unificadas as alíquotas interestaduais do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). No dia seguinte, o ministro já havia recebido um ultimato do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a respeito da revisão das dívidas estaduais, assegurando que a palavra final sobre o assunto seria dada pelo Congresso – e que se o Planalto quisesse reverter o quase irreversível destino do PLC 15/2015 (a aprovação), que preparasse um plano de ajuste econômico amplo que incluísse, por exemplo, a independência do Banco Central em relação ao Executivo.

Durante a tentativa de discussão dos projetos em plenário, o ex-líder do governo no Senado Romero Jucá (PMDB-RR), um dos principais articuladores do pacto federativo na Casa, defendeu o adiamento sob o argumento de que as divergências poderiam levar à derrubada de ao menos um deles – o da convalidação dos incentivos, de autoria da senadora Lúcia Vânia (PSDB-GO). Além disso, alertou Jucá, a falta de consenso poderia levar à “ampliação da insegurança jurídica” e prejudicar estados e municípios. O senador defendeu ainda que a convalidação seja encaminhada com a redução e a unificação das alíquotas interestaduais do ICMS.

“É fundamental aprovarmos uma resolução que reduza as alíquotas. Hoje, o que é dado é um incentivo com o recurso de outros estados. É um modelo perverso! Essa questão será resolvida quando nós nivelarmos as alíquotas interestaduais”, discursou Jucá, referindo-se à exigência regimental para a redução das alíquotas – um projeto de resolução do Senado. O senador defende que o plenário aprove a nivelação já nesta semana.

Fator Rio

Em seu périplo pelo Congresso na tentativa de emplacar algum tipo de acordo em nome do ajuste fiscal, Levy levou na última semana à consideração da cúpula do Senado – leia-se, aos caciques do PMDB – uma alternativa à aprovação do recálculo das dívidas. O entendimento, àquela altura negociado com o Rio de Janeiro, consiste em manter o indexador das dívidas durante todo o ano de 2015 e, no ano seguinte, ressarcir os entes federativos com os valores que deixaram de ser calculados. Assim, o governo asseguraria o alcance da meta de superávit (1,2% do Produto Interno Bruto), evitando gastos extras em pleno esforço de ajuste, e adiaria para 2016 o impacto da nova regra.

Na última quarta-feira (1º), o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, resolveu aceitar o acordo proposto pela União. Ele havia conseguido na Justiça a revisão dos débitos do município por meio da aplicação do novo indexador, aprovado pelo Congresso e sancionado (mas ainda não regulamentado) por Dilma em novembro de 2014 – o PLC 15/2015, em resumo, o coloca em vigor. Outrora irredutível, Paes depositou em 24 de março R$ 28 milhões do que acredita ter restado da dívida, e disse que não pagaria o que o governo federal quer. De acordo com suas contas, a capital fluminense devia R$ 300 milhões (R$ 272 milhões anteriormente pagos), montante 20 vezes menor do que a União considera estar pendente, R$ 6 bilhões. Mas, com o acerto, novos depósitos serão feitos em juízo e devolvidos ao Rio em 2016. “Viro credor da União”, resumiu o prefeito.

A proposta de Levy poderia ser estendida a estados e municípios, se assim eles aceitassem. Mas, como lembra Walter Pinheiro, a realidade do Rio – e de São Paulo e outros entes mais ricos da Federação – não é a mesma dos demais estados. “O acordo com o Rio trata da dívida, e não atende à Bahia. O acordo da Bahia tem de ser a convalidação dos benefícios. Portanto, estamos querendo votar primeiro essa questão da convalidação, discutir ICMS, e aí nós votamos a favor. Nós [também] votamos a favor na renegocição das dívidas, não há problema algum. Vai atender ao Rio, mas eu já havia votado a favor. Agora, não dá para nós votarmos a favor nessa questão e não ter, por outro lado, o voto [da bancada] do Rio de Janeiro na convalidação dos benefícios”, disse o petista à reportagem.

Não há a garantia, até o momento, de que o acordo costurado com o Rio seja estendido aos demais 25 estados da Federação, além do Distrito Federal. Pelo contrário. A correlação entre os temas – o indexador das dívidas e a convalidação dos benefícios – aliada às diferenças regionais entre os parlamentares deixa a situação ainda mais fora de controle para o governo. E ainda há um fator determinante: 2016 é ano de eleições municipais, o que aumenta o interesse e a necessidade dos atuais gestores em fazer caixa e chegar ao pleito com orçamento reforçado e contas em dia.

Em entrevista ao Congresso em Foco, o senador fluminense Lindbergh Farias (PT) disse que o Palácio do Planalto perdeu a mão na articulação política em nome de um custo orçamentário que, em sua análise, é “zero”. “Sinceramente, acho que foi primária a reação do governo em relação a isso. O governo errou. O impacto [da renegociação das dívidas] no resultado primário é zero! Esse debate tem que ser bem colocado, porque [o impacto orçamentário] vai na conta dos juros – R$ 2 bilhões que o governo deixa de receber, mas que os estados deixam de pagar. No resultado primário, a soma é zero, mas com um impacto político gigantesco”, lamentou o petista.

Equilíbrio distante

Já em relação à convalidação, a equação é igualmente complexa. Por definição, ela representa a regularização da concessão dos benefícios fiscais às empresas em cada estado, para que elas se consolidem nos respectivos territórios, disso resultando empregos e renda e ajudando no crescimento econômico. Em tese, esse incentivo deve ser unanimemente aprovado pelos estados no âmbito do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), mas diversas concessões foram dadas à revelia dessa exigência. Resultado: guerra fiscal.

Senadores contrários à convalidação pura e simples, sem a reforma do ICMS, dizem que isso provocaria ainda mais confusão entre os entes, acirrando a guerra fiscal. “Há um consenso em toda a Casa sobre a necessidade de haver a convalidação desses incentivos. Só que, para fazer isso, nós temos de acabar com a guerra fiscal. Se fizermos isso sem votarmos a reforma do ICMS, a consequência é mais guerra fiscal. Eu faço analogia aqui com situações de prefeituras, no passado, que faziam o seguinte: isenção de IPTU [Imposto Predial Territorial Urbano]. Sabe o que acontecia? Cinco anos depois, ninguém mais pagava IPTU à espera de novas isenções”, ponderou Lindbergh em plenário, lembrando que a reforma do ICMS já foi aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos.

Tanto ele quanto o oposicionista Aloysio Nunes (PSDB-SP) concordam que a matéria deve ser mais bem discutida a fim de que arestas sejam aparadas. “O projeto traz inovações que permitem a eternização da 'guerra fiscal' e que vão inviabilizar qualquer reforma de ICMS no nosso país, na medida em que os estados ficam autorizados a conceder remissão dos créditos oriundos desses incentivos que foram contestados sem prazo. Se um estado concede um incentivo que impacta a receita de outro, a federação está vulnerável”, apontou o tucano.

Não é o que pensam o líder do PMDB, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e seu colega José Pimentel (PT-CE), que estão do lado de Walter Pinheiro e da maioria dos representantes de estados com menos orçamento. A concessão de incentivos, diz o senador cearense, é o legítimo exercício dos gestores em “fazer política fiscal” em nome do desenvolvimento de seus estados. Já Pimentel lembrou que a convalidação será apenas retroativa, não considerando futuros incentivos, evitando-se dessa forma mais insegurança jurídica. Para o petista, além de estar em consonância com recentes resoluções do Confaz, o projeto é essencial para promover poder de competitividade para regiões com menos infraestrutura.

Criticando a postura do governo (“Não temos resposta em relação à política decisiva”), Walter Pinheiro sedimentou a certeza de que Dilma não terá vida fácil, daqui em diante, no que tange às pautas do pacto federativo e, consequentemente, ao equilíbrio fiscal. Defendendo a votação do projeto já naquela terça-feira (31), o petista diz que a não convalidação dos incentivos atinge “no fígado” estados nordestinos. “É verdade que a guerra fiscal não favorece ninguém. Mas também deixar como está é simplesmente ameaçar todos esses estados, não bastasse o longo tempo que nós tivemos de baixo investimento em logística na nossa região. Não basta!”, reclamou Walter.

Mais sobre pacto federativo

Mais sobre ajuste fiscal

Mais sobre crise na base

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!