Dilma hesitou em ir a São Paulo para velório de filho de Alckmin

Segundo a colunista Mônica Bergamo, a presidenta consultou interlocutores do governador antes de prestar pêsames pessoalmente. Ela e Aécio se encontraram de maneira "afável"

Pequena matéria veiculada na coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo deste sábado (4), revela que a presidenta Dilma Rousseff ficou em dúvida sobre a conveniência de sua ida ao velório de Thomaz Alckmin, filho do governador Geraldo Alckmin, vítima de um acidente de helicóptero no fim da tarde da última quinta-feira (2), na região de Carapicuíba, em São Paulo. Além de Thomaz, que faria 32 anos na próxima segunda-feira (6), outros quatro tripulantes da aeronave morreram.

Apesar da hesitação inicial, Dilma acabou decidindo ir à cerimônia de adeus. Segundo a colunista da Folha, foi preciso um trabalho de aproximação com interlocutores em comum para que Dilma fosse manifestar pêsames ao adversário político.

“Ela temia que o gesto fosse interpretado como exploração política. Antes de tomar a decisão, Dilma conversou com ministros e amigos comuns dela e de Alckmin. Ela própria ponderava, nas conversas, que se dá bem com o governador e que gostaria de mostrar a ele solidariedade efetiva e pessoal. [...] foi feita uma sondagem com interlocutores de Alckmin. Depois disso, ela resolveu viajar a São Paulo”, informou Mônica Bergamo, com detalhes do episódio.

“O Governo de São Paulo providenciou também uma maneira de Dilma entrar no hospital Albert Einstein por meio de uma passagem que o liga ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo e residência oficial de Alckmin. O encontro entre Dilma e Aécio Neves (PSDB-MG) no velório também foi afável. Os dois se cumprimentaram com um beijo”, arremata a coluna.

Piloto profissional de helicóptero, Thomaz havia embarcado em seu último voo a convite do piloto e amigo Carlos Haroldo Isquerdo, de 53 anos que tinha mais de 30 anos experiência, segundo a proprietária da aeronave, a empresa Seripatri Participações LTDA. Eles e três mecânicos de helicóptero (Paulo Henrique Moraes, 42 anos; Erick Martinho, 36; e Leandro Souza, 34) faziam um voo teste do modelo EC 155 B1, da Eurocopter France, um dos mais sofisticados e seguros do mundo. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) não fixou prazo para a conclusão dos trabalhos de elucidação do acidente.

Leia a íntegra da coluna de Mônica Bergamo

Morre em São Paulo filho de Geraldo Alckmin

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!