Dilma: “Fico triste de não assistir à festa ao vivo e a cores'”

Afastada há quase três meses da Presidência da República, Dilma já havia declarado que não participaria da Olimpíada "numa posição secundária"

A presidente afastada, Dilma Rousseff, lamentou não poder participar da festa de abertura dos Jogos Olímpicos na noite desta sexta-feira (5), no Rio de Janeiro. Em sua conta no Twitter, a petista escreveu: "Fico triste de não assistir à festa 'ao vivo e a cores'. Mas estarei acompanhando, torcendo pelo Brasil". Afastada há quase três meses da Presidência da República, Dilma já havia declarado que não participaria da Olimpíada "numa posição secundária".

Pela rede social, a presidente vem se manifestando a respeito dos jogos, seja comemorando a vitória da seleção feminina de futebol na última quarta-feira (3) sobre a China, seja lembrando da participação de sua gestão na preparação do evento. "Seguimos confiantes de que a festa olímpica que preparamos para o mundo será um sucesso! #Rio2016". Nesta sexta-feira (5) ela também saudou o cenógrafo Abel Gomes, um dos responsáveis pelo evento de abertura.

"Tenho certeza que de você vai fazer uma grande festa, @AbelGomes. Pode ter certeza de que estarei torcendo por você", escreveu Dilma.

 

Posição secundária

Em entrevista à Rádio França Internacional no último dia 25, Dilma disse que não pretende participar das Olimpíadas “numa posição secundária”. Ela destacou a participação de seu governo e do ex-presidente Lula no esforço de trazer o evento para o país e viabilizar a infraestrutura necessária. “Eu não pretendo participar da Olimpíada em uma posição secundária, porque ela é fruto de um grande trabalho do ex-presidente Lula e do grande esforço do governo federal, que viabilizou a estrutura do Parque Olímpico e da Vila Deodoro”, disse Dilma.

A petista, porém, fez questão de lembrar que o governo federal não foi responsável pelas obras na Vila dos Atletas. “Quero deixar claro que todas as questões relativas à Vila dos Atletas dizem respeito a uma PPP, parceria público-privada entre a Prefeitura do Rio de Janeiro e o setor privado”, afirmou a presidente. Os alojamentos dos atletas vêm sendo alvo de críticas por parte de diversas delegações.

Mais sobre Olimpíadas de 2016

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!