Dilma exonera diretores indicados por Temer e pelo PMDB

As exonerações de Walter Gomes de Souza, diretor-geral do Dnocs, e de Rogério Abdalla, diretor da Conab, foram publicadas na edição desta quinta-feira (31) do Diário Oficial da União. Presidente quer distribuir cargos de peemedebistas entre outros aliados

A presidente Dilma Rousseff demitiu outros dois ocupantes de cargos de direção em órgãos do governo federal indicados pelo PMDB, um deles nomeado a pedido do vice-presidente Michel Temer (PMDB). As exonerações de Walter Gomes de Souza, diretor-geral do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (Dnocs), e de Rogério Abdalla, diretor da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), foram publicadas na edição desta quinta-feira (31) do Diário Oficial da União.

As mudanças ocorrem após a decisão do PMDB de romper com o governo Dilma e obrigar seus filiados a devolverem os cargos ao Executivo.  De olho na votação do impeachment, a presidente pretende distribuir as vagas deixadas por peemedebistas e apadrinhados a nomes indicados por outros partidos, como o PSD, o PP e o PR, cobiçados agora como parceiros preferenciais no Congresso Nacional.

Diretor de Pessoal da Conab, Rogério Abdalla foi indicado por Michel Temer. Ele estava há nove anos na companhia e assessorou o ex-presidente da entidade Wagner Rossi, que também foi ministro da Agricultura na cota do PMDB. A exoneração dele foi assinada pela atual ministra da pasta, Kátia Abreu. Ela resiste a deixar o governo e o partido, mesmo diante da ameaça de expulsão.

Já Walter Gomes chegou ao comando do Dnocs pelas mãos do agora ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Ex-presidente da Câmara, Henrique deixou o Ministério do Turismo na segunda, um dia antes do anúncio do rompimento do partido com o governo. O ex-deputado é um dos peemedebistas mais próximos de Temer.

Outro indicado pelo vice-presidente, Antonio Pires foi demitido da presidência da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) na semana passada. Novas demissões de aliados do vice-presidente devem ocorrer nos próximos dias.

Mais sobre crise na base

Mais sobre PMDB

Continuar lendo