Dilma empossa quatro ministros e diz que trocas são “inevitáveis”

Segundo ela, mudanças não vão alterar linha de atuação do governo. Outras substituições serão anunciadas ainda este mês

Ao dar posse a quatro ministros, a presidenta Dilma Rousseff afirmou hoje (3) que as mudanças fazem parte da democracia e não alteram a forma de atuação do governo. Segundo ela, as alterações são inevitáveis e continuarão a ser feitas ao longo deste mês. “Persistiremos trabalhando com esforço e com empenho para garantir a adequada execução de nossos programas e o cumprimento de todas as metas dos nossos programas", declarou. Segundo ela, 2013 será "ainda melhor" do que 2014.

Foram empossados nesta manhã os ministros Arthur Chioro (Saúde), José Henrique Paim (Educação), Thomas Traumann (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República) e Aloizio Mercadante (Casa Civil). Mercadante comandava a pasta da Educação.

Dilma também agradeceu aos ministros que saíram e desejou boa sorte àqueles que vão disputar as eleições: Gleisi Hoffmann, que volta ao Senado após passagem pela Casa Civil e é pré-candidata ao governo do Paraná, e Alexandre Padilha, ex-ministro da Saúde, pré-candidato a governador de São Paulo.

A cerimônia realizada no Palácio do Planalto faz parte da primeira etapa da reforma ministerial. Nos próximos dias, novas trocas serão anunciadas, tanto em função da necessidade de alguns ministros deixarem o cargo a tempo de se candidatarem nas eleições de outubro, quanto dos arranjos feitos pelo governo para acomodar partidos aliados.

Familiares, amigos, parlamentares e o vice-presidente da República, Michel Temer, participaram da solenidade. Também o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), prestigiaram a posse dos novos ministros.

Leia mais sobre reforma ministerial
Mais sobre eleições 2014

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!