Dilma diz que denúncia de Janot é “desvio de foco para encobrir a verdade”

 

Acusada de formação de quadrilha com outros sete petistas, a ex-presidente Dilma Rousseff publicou em seu site nesta quarta-feira (6) um texto com críticas ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, responsável pela denúncia. Para Dilma, a peça acusatória – levada a público em meio à reviravolta nas delações do Grupo JBS e na descoberta de malas recheadas de dinheiro atribuídas ao ex-ministro Geddel Vieira Lima – serve “para desviar a atenção das gravações divulgadas”.

“Nelas, os próprios delatores [da JBS] declaram que para obter o prêmio da integral impunidade ou da redução da pena dizem aquilo que acreditam ser o que os  procuradores querem ouvir”, diz trecho da petista (leia íntegra abaixo), que nomeou Janot e o reconduziu ao comando da Procuradoria-Geral da República (PGR).

<<Dilma, Lula, Gleisi e outros cinco petistas são denunciados por organização criminosa

<<Fachin retira sigilo de áudio da JBS que compromete ministros e ex-procurador

“Na semana em que o país toma conhecimento da deterioração ética e moral que cerca o mercado da corrupção; no dia em que a polícia encontra uma dúzia de malas cheias de dinheiro roubado por elemento central na articulação do presidente golpista; o procurador lança mão do diversionismo e encontra respaldo em parte da imprensa brasileira que se transformou em uma fração politica, perdendo inteiramente a isenção”, acrescenta a ex-presidente, sem citar Janot nominalmente.

Na denúncia em questão, a PGR, que será chefiada por Janot até 17 de setembro, acusa Dilma, o ex-presidente Lula, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), os ex-ministros Antonio Palocci, Guido Mantega, Edinho Silva e Paulo Bernardo e o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto por compor organização criminosa. De acordo com Janot, os petistas receberam quase R$ 1,5 bilhão de reais em propinas.

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) será responsável por decidir se os acusados viram réus, o que daria início a uma ação penal. Na peça acusatória, Janot diz que Lula foi “grande idealizador” da organização criminosa apontada, como o Congresso em Foco site adiantou em junho de 2016, com exclusividade. Os acusados se defendem e negam os crimes que lhe são atribuídos.

Leia a íntegra do texto:

A denúncia proposta pela Procuradoria-Geral da República acusando a mim de pertencer e ao PT de constituir uma organização criminosa é um documento que deve ter sido reunido às pressas e baseado, exclusivamente, em depoimentos de delatores premiados.

Não há comprovação resultante de qualquer investigação feita. Apenas ilações, deduções e insinuações tratadas como verdade. Apenas as convicções dos acusadores, baseadas em modelos fantasiosos .

A denúncia se apoia em mentiras fabricadas, algumas bastante antigas, que parecem ter sido recuperadas e trazidas de novo à baila apenas para desviar a atenção das gravações divulgadas. Nelas, os próprios delatores  declaram que para obter o prêmio da integral impunidade ou da redução da pena dizem aquilo que acreditam ser o que os  procuradores querem ouvir.

Na semana em que o país toma conhecimento da deterioração ética e moral que cerca o mercado da corrupção; no dia em que a polícia encontra uma dúzia de malas cheias de dinheiro roubado por elemento central na articulação do presidente golpista; o procurador lança mão do diversionismo e encontra respaldo em parte da imprensa brasileira que se transformou em uma fração politica, perdendo inteiramente a isenção.

A justiça e a verdade sempre se impõem. O STF, certamente, fará justiça diante da absoluta falta de provas que atestem qualquer  dos ilícitos denunciados pelo PGR.

 

<< Lula é investigado como possível chefe do petrolão

<< Fachin retira sigilo de áudio da JBS que compromete ministros e ex-procurador


Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!