Lula: transcrição sobre influência na Petrobras é “insidiosa e covarde”

“É repugnante que policiais e promotores transcrevam essa farsa em documento oficial, num formato claramente direcionado a enxovalhar a honra do ex-presidente Lula”, diz trecho de nota do Instituto Lula

Por meio de sua assessoria, o ex-presidente Lula diz considerar “repugnante” a transcrição de diálogos que, segundo a revista Veja, constam de pré-delação premiada feita pelo ex-deputado Pedro Corrêa, condenado na Operação Lava Jato a 20 anos de prisão. Disposto a colaborar com a Justiça para reduzir sua pena, o ex-parlamentar envolveu políticos de vários partidos como beneficiários do esquema de corrupção descoberto pela Polícia Federal na Petrobras.

Segundo nota do Instituto Lula, investigadores da Lava Jato manipulam informações de maneira “insidiosa e covarde” e tem a intenção de atacar a imagem do ex-presidente. “É repugnante que policiais e promotores transcrevam essa farsa em documento oficial, num formato claramente direcionado a enxovalhar a honra do ex-presidente Lula e de um dos mais respeitáveis políticos brasileiros, o falecido senador José Eduardo Dutra, que não pode se defender dessa calúnia. O Estado de Direito não comporta esse tipo de manipulação, insidiosa e covarde, nem por parte dos agentes públicos nem dos meios de comunicação que dela se aproveitam numa campanha de ódio e difamação contra o ex-presidente Lula”, diz trecho do documento.

Além do posicionamento do Instituto Lula, a defesa do ex-presidente solicitou à 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, encabeçada pelo juiz Sérgio Moro, o acesso à pré-delação de Pedro Corrêa, cujo vazamento à revista Veja dizem considerar ilegal. “O ex-deputado foi condenado a mais de 20 anos de prisão pelo juiz Sérgio Moro pela prática de 72 crimes de corrupção e 328 operações de lavagem de dinheiro. Para que possam tomar todas as medidas necessárias em relação às mentiras veiculadas, como de praxe, contra Lula com o intuito de para ofender sua honra e reputação, os advogados também pediram que seja apurada a responsabilidade pelo vazamento ilegal e seletivo da delação”, diz trecho de nota assinada pelos advogados Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins.

Leia a íntegra da nota do Instituto Lula:

“Sem provas contra Lula, MPF vaza diálogo inventado

São Paulo, 27 de maio de 2016,

Pedro Correa foi condenado pelo juiz Sergio Moro a mais de 20 anos de cadeia por ter praticado 72 crimes de corrupção e 328 operações de lavagem de dinheiro. Foi para não cumprir essa pena na cadeia que ele aceitou negociar com o Ministério Público Federal uma narrativa falsa envolvendo o ex-presidente Lula, inventando até mesmo diálogos que teriam ocorrido há 12 anos.

É repugnante que policiais e promotores transcrevam essa farsa em documento oficial, num formato claramente direcionado a enxovalhar a honra do ex-presidente Lula e de um dos mais respeitáveis políticos brasileiros, o falecido senador José Eduardo Dutra, que não pode se defender dessa calúnia.

O Estado de Direito não comporta esse tipo de manipulação, insidiosa e covarde, nem por parte dos agentes públicos nem dos meios de comunicação que dela se aproveitam numa campanha de ódio e difamação contra o ex-presidente Lula.

A utilização desse recurso nojento é mais uma evidência de que, após dois anos de investigação, a Lava Jato não encontrou nenhuma prova ou sequer indício de participação de Lula nos desvios da Petrobras, porque o ex-presidente sempre agiu dentro da lei. E por isso apelam a delações mentirosas.

Assessoria de imprensa do Instituto Lula”

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre Lula

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!