Dez empreiteiras envolvidas na Lava Jato serão investigadas pela CGU

As empresas integram a lista de 23 fornecedores da Petrobras, que, no fim do ano passado, foram impedidas de participar de licitações da estatal em razão de suspeitas de participação nos desvios ocorridos nos últimos anos

Reportagem do jornal O Estado de S.Paulo destaca que a Controladoria-Geral da União (CGU) vai abrir ,nesta quarta-feira (11), processos administrativos de responsabilização contra as empreiteiras Alumini Engenharia, Promon Engenharia, Odebrecht, Andrade Gutierrez, além de outras seis implicadas na Operação Lava Jato. Todas elas foram citadas como participantes de um cartel em depoimentos prestados à Justiça Federal por envolvidos no esquema, como o ex-diretor de abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e o doleiro Alberto Youssef.

A Odebrecht e a Andrade Gutierrez são investigadas, mas ainda não foram denunciadas e não têm executivos presos.Atualmente, há oito processos administrativos abertos na controladoria que apuram denúncias contra a Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, Iesa, Mendes Júnior, OAS, Queiroz Galvão e UTC-Constran.

Se ficar comprovada culpa das empresas nessas apurações, as companhias podem ser penalizadas, perdendo o direito de fechar negócio com a administração pública ao serem consideradas inidôneas. Podem ainda, segundo a Lei Anticorrupção, pagar multa que pode variar entre 0,1% e 20% relativa ao faturamento da empresa, bem como publicar um extrato de conduta irregular, assumindo publicamente seus erros. Paralelamente, responderáão a outro processo na Justiça para devolver aos cofres públicos o dinheiro desviado.

Leia a reportagem completa do Estadão

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!