Deputados recuam do próprio manifesto contra reforma, diz líder do PMDB

Peemedebistas que assinaram manifesto serão pressionados por correligionários, acredita Picciani. Partido está rachado não só quanto à reforma ministerial, mas sobre a própria permanência na base

Líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ) afirmou que deputados que assinaram o manifesto contra a negociação entre Planalto e PMDB por ministérios, em troca de apoio ao governo no Congresso, já recuaram de suas posições. Segundo ele, como partido da base aliada no Congresso, o PMDB deve se manter ao lado do governo nas medidas de ajuste fiscal.

“O PMDB tem compromisso de estar na base do governo, como está agora e esteve no primeiro semestre”, disse ele.

Segundo ele, a decisão de trabalhar pela aprovação das medidas do governo foi tomada em reunião da bancada e aprovada pela ampla maioria dos presentes. “Aliás, a maioria dos deputados que assinaram o manifesto tiveram outra posição durante a reunião”, disse Picciani.

Questionado sobre a inconsistência da bancada, tendo em vista que um terço dos deputados se opuseram à decisão, chamando a negociação de cargos de “política de toma-lá-dá-cá”, Picciani disse que grande parte deles o procurou para dizer que repensaram a questão e mudaram, novamente, o posicionamento. “Vários deputados recuaram do manifesto”, disse.

Quanto aos que ainda se colocam como opositores dentro do partido, Picciani acredita que serão cobrados pelos correligionários. “Não há instrumento para enquadramento, mas a maioria da bancada deve cobrar coerência”, previu.

Segundo ele, a presidente Dilma mantém o compromisso de ceder ao PMDB os ministérios da Saúde e da Integração Nacional. Em troca, o líder do partido disse que sua bancada atuará dentro da Câmara pela aprovação dos vetos presidenciais.

Mais sobre reforma ministerial

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!