Deputados do Rio Grande do Sul com acusações criminais

Saiba quem são os investigados, as suspeitas que há contra eles e os esclarecimentos de cada um

Afonso Hamm (PP-RS)
Inquérito 3989 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

Alceu Moreira (PMDB-RS)
Inquérito 3076 Crimes contra a Lei de Licitações e corrupção passiva

Jerônimo Goergen (PP-RS)
Inquérito 3989 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

José Fogaça (PMDB-RS)
Inquérito 4224 Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, emprego irregular de verbas ou rendas públicas

José Otávio Germano (PP-RS)
Inquérito 3991 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha
Inquérito 3989 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha
Inquérito 3980 Corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro

José Stédile (PSB-RS)
Inquérito 3825 Jurisdição e competência
Ação Penal 599 Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional

Leia a íntegra da nota enviada pelo deputado:

"Trata-se de um apontamento que recebi no período em que fui prefeito do município de Cachoeirinha/RS. O Fundo de Previdência Municipal foi composto por técnicos da prefeitura e pessoas eleitas pela categoria dos funcionários públicos municipais. Jamais tive qualquer ingerência nas decisões deste Fundo o que está comprovado em todas as atas que este Conselho realizou.

Fui apontado pelo Tribunas de Contas do Rio Grande do Sul em duas oportunidades em função de investimentos que este Fundo fez no período e que não tiveram nenhuma participação minha. Cabe ressaltar, que os investimentos eram assegurados pelo Banco do Brasil e que os apontamentos se deram em função de não haver tido um processo licitatório. Os investimentos foram lucrativos e não geraram prejuízos ao município.

Um dos processos que está adiantado já tem parecer do Supremo me isentando de qualquer responsabilidade. Espero que o outro também tenha o mesmo parecer em breve."

Luis Carlos Heinze (PP-SP)
Inquérito 3989 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

Ao Congresso em Foco, o deputado Luis Carlos Heinze prestou os seguintes esclarecimentos:

“Eu não estou indiciado, eu fui citado. Fiz um pronunciamento na Casa me colocando à disposição para prestar todos os esclarecimentos que julgarem necessário. Sem advogado sem nada, protocolei um documento com o procurador-geral, Rodrigo Janot, e procurei o Leandro Daiello na Polícia Federal. Coloquei meus sigilos à disposição. Desafio o doleiro Alberto Yousseff ou qualquer líder do meu partido a dizer quanto me deu, onde me deu e quem me deu.

Estou enrolado nessa situação como se estivesse recebido recurso. Prestei depoimento na PGR e fiz tudo que tinha que fazer. Estou tranquilo. Coloquei todo o meu patrimônio à disposição. Nada foi adquirido por minha condição de político e ilegalmente”.

Marco Maia (PT-RS)

Inquérito 4332 Lavagem de dinheiro e corrupção passiva
Inquérito 4261 Lavagem de dinheiro

Paulo Pimenta (PT-RS)
Inquérito 3499 Lavagem de dinheiro

Leia a íntegra da nota enviada pelo deputado:

"Trata-se de um inquérito relativo a fatos em que fui, indevidamente, envolvido, e que portanto não me dizem respeito. São fatos já denunciados por mim à Polícia Federal e, tenho a convicção, que levarão ao arquivamento do inquérito".

Renato Molling (PP-RS)
Inquérito 3989 Corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha

Giovani Batista Feltes (PMDB-RS) - Deputado Licenciado
Ação Penal 921 Crimes de responsabilidade

Yeda Crusius (PSDB-RS)

Ação Penal 1001 - Crimes contra o meio ambiente e contra a flora

 

Mais sobre processos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!