Deputado investigado diz que contribuição é opcional

Zequinha Marinho afirma que alguns funcionários continuam pagando os 5% dos salários. Ele, no entanto, garante que as "contribuições são voluntárias"

Pela primeira vez, o deputado Zequinha Marinho (PSC-PA) disse que era opcional a contribuição de 5% dos salários de seu gabinete. O Congresso em Foco revelou que, em março de 2011, 23 funcionários do deputado pagavam uma “caixinha” ao PSC. Em email, o deputado, agora investigado no Supremo Tribunal Federal (STF), cobrou o pagamento da taxa de um funcionário. Em outra mensagem, demitiu-o avisando que o motivo era a falta de pagamento da contribuição.

Dos 23 funcionários, Marinho disse que, atualmente, uma boa parte deixou de contribuir para a caixinha. “Hoje em dia não sei dizer exatamente, mas não são muitos não. Alguns continuam pagando. Outros, não”, respondeu ele à reportagem na tarde de segunda-feira (27), por telefone. Hoje, o gabinete de Marinho tem 25 servidores.

O deputado agora diz que o pagamento jamais foi forçado. “As contribuições são voluntárias. Aqui dentro tem quem quer, e tem outros que não querem: não pagam”, afirmou ele. “Sempre foi dessa forma.” Em novembro de 2011, o discurso era diferente. “É uma coisa justa e correta. Se não quiser, não vai, não se mete em política”, disse o deputado ao site.

Marinho justificou a diferença entre suas afirmações. “Coloquei daquela forma pra você, que me perguntou. ‘Ah, é isso’. Claro que é, mas não é dessa forma. Ninguém impõe nada a ninguém”, disse o deputado.

Apesar disso, Marinho reafirmou que a falta de pagamento dos 5% motivou a demissão do assessor de imprensa Humberto Santos Azevedo. “Em função de algumas coisas, não somente disso”, respondeu Marinho, ao recordar outra entrevista concedida ao Congresso em Foco. Outro motivo para a exoneração, segundo ele, foi um processo contra o jornalista.

O site questionou Zequinha por que, na mensagem em que demitiu Santos, não o avisou que o motivo também era o processo a que respondia. “Não é bem esse negócio. A motivação não é só... não foi isso.”

Rádio de Minas Gerais

Colaborador eventual de uma rádio no interior de Minas Gerais, jornalista Humberto Santos disse ao Senado que era o chefe da sucursal da rádio Difusora Santarritense para obter uma credencial de imprensa. Responde a processo por uso de documento falso. “Ficou uma situação de constrangimento a presença dele”, acrescentou Marinho, na tarde de ontem.

Na defesa de Santos, o proprietário da rádio, Carlos Roberto Brandão, declarou que, apesar da falta de vínculo empregatício, realmente autorizou o jornalista a se credenciar no Senado pela emissora. “A ação que sofro foi movida pela minha luta para exercer a minha profissão de jornalista no Congresso Nacional”, disse Santos em nota ao site. Ontem, ele reafirmou sua inocência. “A ação continua em andamento. Até o momento eu não fui ainda interrogado e, por isso, sou inocente no caso até condenação em contrário”, disse Santos em mensagem à reportagem.

Marinho disse aguardar a notificação do Supremo Tribunal Federal sobre o inquérito criminal que responde por suspeita de desvio de dinheiro (peculato) ou obtenção de “vantagem indevida” (concussão). “Vamos providenciar nossa defesa com tranquilidade”, disse o deputado.

STF abre inquérito contra deputado da ‘caixinha’

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!