Deputada relata ameaças por participar da CPI do Cachoeira

De acordo com a peemedebista Íris de Araújo (GO), mensagens enviadas pelo Twitter a ameaçam de ser "metralhada ou sequestrada" . Integrantes da comissão cogitam solicitar proteção a parlamentares, juízes e procuradores

A deputada Íris de Araújo (PMDB-GO) afirmou nesta quarta-feira (27) que está sendo ameaçada de morte por participar da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira. De acordo com a peemedebista, adversária do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), mensagens foram enviadas pelo Twitter contra ela. A ameaça foi revelada pela própria parlamentar durante sessão da CPI.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

As mensagens ameaçam a deputada de ser "metralhada ou sequestrada". “ Não podermos deixar que se crie este conceito de que a CPI, ou os membros dela, possam ser ameaçados", disse a peemedebista. Ela adiantou ter pedido à presidência da Câmara uma investigação sobre o caso.

Após o relato, o vice-presidente da CPI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), sugeriu que a comissão peça proteção "a juízes, procuradores e até parlamentares, já que temos um depoimento de ameaça".  Os membros da comissão também discutiram as intimidações que vêm sendo feitas aos magistrados e procuradores da República que trabalham nas operações Vegas e Monte Carlo. O juiz Paulo Augusto Moreira Lima, que autorizou escutas da Operação Monte Carlo e também a prisão do bicheiro Carlos Cachoeira, pediu para deixar o caso por estar sofrendo ameaças.

CNJ pedirá proteção ao novo juiz do caso Cachoeira
CPI quer ouvir juiz ameaçado por grupo de Cachoeira

Ontem (26), o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pediu que a Polícia Federal faça a proteção da procuradora da República Léa Batista, que também foi ameaçada. A Operação Monte Carlo, comandada pela Polícia Federal, investigou relações entre agentes públicos e o grupo de Cachoeira que atua na exploração do jogo ilegal em Goiás. Dois policiais militares, entre outros, foram presos. "Acho que há que se ter um conversa com o Supremo Tribunal Federal e com a Polícia Federal. Essas duas instituições nos dão o caminho de reduzir o potencial dos bandidos", disse o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!