Após denúncias contra ministro, Transparência Internacional rompe relações com o Brasil

A organização internacional classificou como "decepcionante" o fato do ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, estar sob suspeita de corrupção

A organização Transparência Internacional anunciou nesta segunda-feira (30) que irá suspender o diálogo com o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MTFC) do Brasil até que "uma apuração plena seja realizada e um novo ministro com experiência adequada na luta contra a corrupção seja nomeado".

"É decepcionante que o ministro encarregado da transparência esteja agora sob suspeita, como parte de uma operação abafa", disse Alejandro Salas, diretor para as Américas da Transparência Internacional. A organização ainda escreveu, em nota, que "o governo deve garantir que quaisquer membros do ministério envolvidos em corrupção ou trabalhando contra o curso das investigações sejam exonerados".

O atual ministro da pasta, Fabiano Silveira, foi flagrado em áudios orientando o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado a se defenderem na Operação Lava Jato. O presidente em exercício Michel Temer decidiu manter Fabiano no cargo. Ele foi indicado por Renan Calheiros e o Planalto não quer desgastar a relação com o presidente do Congresso, tendo em vista as medidas que precisam ser aprovadas.

A parceria entre a CGU e a Transparência Brasil abrangia três frentes de trabalho, uma delas envolvia a participação na elaboração de propostas para a parceria internacional de Governo Aberto (Open Government Partnership - OGP).

Mobilização continua

Os funcionários do MTFC afirmam que continuarão mobilizados até que Fabiano seja exonerado do cargo. Hoje, cerca de 300 servidores bloquearam a entrada do ministério e marcharam até o Palácio do Planalto para pressionar Michel Temer. Servidores da Controladoria anunciaram também que não acatarão mais ordens do atual ministro.

Amanhã (31) o presidente da Unacom Sindical, Rudinei Marques, anunciou que o protesto continuará a partir das 7h. Os servidores se mobilizam para fechar o ministério e impedir a entrada de Fabiano, caso ele tente. "Na nossa CGU esse cara não pisa mais", dizem os manifestantes.

Existe ainda a expectativa de greve geral na CGU, porém ainda não há confirmação. Chefes de 23 representações estaduais da CGU e outros 200 ocupantes de cargos de direção e assessoramento superior (DAS) anunciaram a entrega de seus cargos para pressionar pela saída de Fabiano Silveira.

Em gravação, ministro da Transparência orienta Renan na Lava Jato

Mais sobre gestão pública

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!