Depoimentos de delegados e promotores na CPI será sigiloso

Integrantes da comissão decidiram ouvir envolvidos nas operações Vegas e Monte Carlo em sessões reservadas para preservar as investigações

Os integrantes da CPMI do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, decidiram nesta terça-feira (8) ouvir em sessões reservadas os delegados da Polícia Federal e os procuradores de Justiça envolvidos nas investigações que resultaram nas operações Vegas e Monte Carlo. Por 17 votos a 11, foi aprovado requerimento da senadora Kátia Abreu (PSD-TO) e do deputado Luiz Pittman (PMDB-DF) pedindo o sigilo das oitivas.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

A justificativa dos parlamentares é de que, caso as sessões fossem abertas, as investigações poderiam ser prejudicadas. A maior parte da comissão teve o mesmo entendimento. Alguns parlamentares, no entanto, defenderam que houvesse sigilo apenas para os procuradores, já que o presidente da CPMI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), informou que os delegados não solicitaram uma reunião a portas fechadas.

"Como ainda existem desdobramentos dessas investigações, o sigilo das oitivas deve ocorrer", defendeu o senador Pedro Taques (PDT-MT). Ele lembrou que os envolvidos nos inquéritos correm até risco de morte pela complexidade das investigações. Para outros parlamentares, no entanto, as sessões devem ser abertas. Depois da oitiva de hoje, a expectativa é que seja analisada uma questão de ordem para acabar com o sigilo de todo o material enviado à CPI pela Justiça envolvendo o bicheiro Cachoeira.

Sigilo em depoimentos da CPI será decidido amanhã

Após a votação, a sessão foi fechada, ficando apenas os membros titulares e suplentes da CPMI, assim como três servidores indicados por Vital do Rêgo. Logo após, estava prevista a oitiva do delegado Raul Alexandre Marques Sousa, responsável pela Operação Vegas. Na quinta-feira (10), devem ocorrer os depoimentos do delegado Matheus Mella Rodrigues e dos procuradores da República Daniel de Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira, responsáveis pela investigação da operação Monte Carlo.

CPI: inquérito só poderá ser lido em sala fechada
Saiba mais sobre o Congresso em Foco (dois minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!