Depoimento de procuradores da Monte Carlo é adiado

Responsáveis pelo inquérito que resultou na prisão do bicheiro Carlinhos Cachoeira pedem para falar à CPI somente em junho. Justiça Federal marcou primeira audiência sobre a operação em 31 de maio

Em documento entregue à CPI Mista do Cachoeira, os procuradores federais Daniel de Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira, responsáveis pela Operação Monte Carlo, pediram adiamento do depoimento previsto para quinta-feira (17). Eles pediram para serem ouvidos pelos integrantes da comissão somente em junho. O pedido foi acatado pelo presidente do colegiado, senador Vital do Rego (PMDB-PB).

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira
Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

No documento, assinado pelos dois procuradores com apoio da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), os responsáveis pela investigação que resultou na prisão do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, e outras 81 pessoas, informam que a primeira audiência do caso foi marcada pela Justiça Federal em Goiânia (GO) para 31 de maio. Até lá, ressaltam, eles não podem tratar do assunto na CPI.

De acordo com os procuradores, se houvesse manifestação dos dois na comissão, eles estariam automaticamente impedidos de atuar na audiência de instrução. Aí, novos procuradores seriam indicados para presidir o inquérito, com menos de duas semanas para se inteirar de todo o processo. "Eles alertam que a sua oitiva perante a CPMI resultaria no impedimento desses procuradores de prosseguir", disse Vital do Rego.

CPI aprova resposta por escrito de Roberto Gurgel

Uma nova data ainda será marcada pelo peemedebista. A expectativa é que ela aconteça na primeira semana de junho. Para quinta-feira, quando ocorreria os depoimentos, a CPI terá uma sessão administrativa, às 9h. "Temos uma pauta grande, extensa", informou o presidente da comissão. Devem ser votados os requerimentos pedindo a quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico de agentes públicos e privados envolvidos com Cachoeira.

Esta é a segunda ausência na mesma semana na CPI. Para hoje, estava previsto o depoimento de Carlinhos Cachoeira. No entanto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello concedeu um habeas corpus para que o bicheiro tenha acesso a toda a documentação sigilosa antes da oitiva ocorrer. Houve a possibilidade de antecipar a participação dos procuradores, que também foi adiada.

Temos de investigar deputados, diz senador da CPI
Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!