‘Denúncia de legalidade’, diz Renan sobre empresa acusada de fraude

Em nota, presidente do Senado admitiu ter recebido contribuições de campanha de um grupo empresarial do Pará. Ele acrescentou que o contrato apontado como suspeito foi auditado e considerado regular pelo TCU

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), admitiu nesta terça-feira (11) ter recebido contribuição de campanha de uma empresa acusada de fraude em licitação feita pela Transpetro, empresa de logística ligada a Petrobras. Porém, de acordo com o peemedebista, as doações foram legais e estão declaradas como o previsto na legislação. "Estamos diante de uma denúncia da legalidade. Não é cabível outra interpretação. Tudo como manda a lei", afirmou Renan, em nota publicada na página do Senado na internet.

De acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, um grupo empresarial do Pará repassou R$ 400 mil ao diretório do PMDB em Alagoas em 2010. Naquele ano, o diretório foi o principal financiador da campanha do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), atual presidente do Senado. As empresas são acusadas de fraudar licitação da Transpetro. Segundo o Estadão, as doações legais foram feitas em nome da SS Administração e Serviços, da Rio Maguari Serviços e de Transportes Rodoviários, empresas que fazem parte do grupo.

Segundo a nota do peemedebista, os contratos foram auditados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e não foi encontrada nenhuma irregularidade pelos integrantes da corte.

Veja a íntegra da carta:

Prezado Editor

Lendo a matéria intitulada “Empresa suspeita doou para PMDB de Renan” na edição deste 11 de novembro de 2014, forço-me a algumas considerações óbvias:

1) A mencionada empresa venceu um processo licitatório pelo menor preço. É a lei;
2) O contrato foi auditado pelo Tribunal de Contas da União e nenhuma irregularidade foi apontada. Novamente é a Lei;
3) A referida empresa fez múltiplas doações eleitorais e elas estão declaradas. Mais uma vez, como manda a Lei.

Diante da clareza das informações, veiculadas para reacender suspeição, estamos diante de uma denúncia da legalidade. Não é cabível outra interpretação. Tudo como manda a Lei.

Senador Renan Calheiros

Veja a íntegra da reportagem no Estadão

Mais sobre a Operação Lava Jato

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!