Demóstenes queixa-se de “ataques à honra”

Em carta ao presidente do Senado, José Sarney, em que justifica sua decisão de deixar a liderança do DEM, o senador de Goiás diz que se pronunciará sobre o caso depois que tiver acesso aos autos da investigação contra ele

O agora ex-líder do DEM no Senado Demóstenes Torres (GO) encaminhou hoje (terça, 27) ofício ao presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), dizendo que tem sofrido “ataques à honra” nos últimos dias – razão pela qual, segundo a carta (leia íntegra abaixo), deixou a liderança nas mãos do presidente nacional do partido, José Agripino (RN). A queixa de Demóstenes se deve à série de notícias publicadas, por parte de diversos veículos, sobre seu envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira, preso desde fevereiro no âmbito da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal. Jogo do bicho, máquinas caça-níqueis e bingos estão entre as atividades clandestinas descobertas nas investigações.

Leia outros destaques do Congresso em Foco

Segundo as investigações da Polícia Federal, Cachoeira é o operador de um esquema criminoso de exploração de jogos de azar em Goiás e na periferia de Brasília. Amigo do bicheiro, como o próprio senador admitiu em discurso em plenário apoiado por 44 dos 81 senadores, Demóstenes teria embolsado cerca de R$ 50 milhões por meio do esquema nos últimos anos, como mostra uma das reportagens sobre o assunto, feita com base em relatórios da PF.

Leia mais:
CartaCapital: Demóstenes embolsava 30% do jogo clandestino

Senadores cobram novas explicações de Demóstenes

Diante da avalanche de notícias negativas, Demóstenes corre o risco de responder a processo por quebra de decoro no Senado, bem como a inquérito recomendado pela Procuradoria Geral da República ao Supremo Tribunal Federal (STF). Randolfe e outros congressistas membros da Frente Parlamentar de Combate à Corrupção se reuniram hoje (terça, 27) com o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, que analisa processo sobre o caso desde 2009.

“Confesso que entrei na PGR cético e saí de lá satisfeito com o que nós ouvimos. Eu acho que nesse momento, a melhor medida a ser tomada pelo senador é apresentar a sua defesa aqui no âmbito do plenário e renunciar ao mandato. [Demóstenes] não tem mais condição e nem sustentação para continuar”, disse ao Congresso em Foco o senador, um dos parlamentares que pediram a abertura de inquérito no STF.

Segundo Demóstenes, tudo não passa de “fatos e versões”, como registra a carta-ofício, que o levaram a tomar a decisão de se afastar da liderança, com o intuito de poder “responder a qualquer questionamento” que seja suscitado pelos colegas de Senado.

Confira a íntegra da carta:

“Ofício Int. nº 033/GSDT
À Sua Excelência o Senhor
Senador José SarneyPresidente do Senado Federal
Nesta

Senhor presidente,

Como Vossa Excelência tem acompanhado, sofro nas últimas semanas toda sorte de ataques à minha honra, sem que sejam observadas as garantias constitucionais previstas em qualquer Estado Democrático de Direito.

Meu desejo é ocupar a Tribuna do Senado tão logo tenha acesso ao conteúdo dos autos que, segundo afirmam, estão em poder do Procurador-Geral da República. Não me escusarei de responder a qualquer questionamento que, por ventura, seja feito pelos senhores senadores e senhoras senadoras.

Reafirmo o que disse no Plenário: se existe alguma suspeita sobre o meu procedimento, exijo profunda e meticulosa investigação no foro constitucionalmente adequado, qual seja, o Supremo Tribunal Federal.

Aproveito a oportunidade para comunicar a Vossa Excelência que, para acompanhar a evolução dos fatos e versões noticiados nos últimos dias, me afastei hoje da liderança do Democratas no Senado Federal.

Atenciosamente,
Senador Demóstenes Torres”

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!