Demóstenes pediu favorecimento à Delta, diz Pagot

Em depoimento à CPI do Cachoeira, ex-diretor do Dnit diz que ex-senador lhe contou que tinha dívidas com empreiteira durante jantar com Fernando Cavendish

Em depoimento à CPI do Cachoeira, nesta terça-feira (28), o ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit) Luiz Antônio Pagot afirmou que o ex-senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) tentou interferir para que a empresa Delta Construções fosse beneficiada com obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo ele, o pedido foi feito durante um jantar realizado na casa do então senador.

Pagot nega conivência com corrupção no Dnit e acusa Delta

Leia mais sobre o caso Cachoeira

Pagot contou que Fernando Cavendish, presidente licenciado da construtora, e Claudio Abreu, ex-diretor da empresa no Centro-Oeste, participaram do jantar. "O senador me chamou em uma sala reservada e disse que tinha dívidas junto à Delta, que sempre havia apoiado suas campanhas. Precisava de obras com o carimbo dele. Eu respondi que lamentava, mas não podia ajudá-lo", afirmou Pagot.

Em sua defesa no processo que levou à sua cassação, Demóstenes sempre sustentou que jamais esteve com Fernando Cavendish. O empresário também nega ter tido qualquer contato pessoal com o senador. Demóstenes foi apontado pela Polícia Federal como sócio oculto da Delta. “Para minha surpresa, havia vários diretores da Delta. [...] Foi conversado sobre vinhos, sobre o desenvolvimento do Brasil. O senador me perguntou se ia ter dinheiro para executar todas as obras do PAC I e PAC II. Me perguntou isso várias vezes”, descreveu o encontro o ex-diretor do Dnit.

Questionado pelo deputado Onix Lorenzoni (DEM-RS) sobre o crescimento da Delta durante os governos Lula e Dilma, Pagot afirmou que a empreiteira ocupou o espaço deixado pelas grandes construtoras do país, que demonstraram desinteresse pelas obras do PAC. Segundo ele,  em razão dos "preços apertados", do alto grau de exigência e da fiscalização, as empreiteiras tradicionais preferiram fazer obras finaciadas pelo Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em outros países da América Latina e na África.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!