Demóstenes: como o rei ficou nu

Do apoio maciço obtido após as primeiras suspeitas até o discurso derradeiro, frases que marcaram a trajetória do agora ex-senador e da CPI do Cachoeira

Antonio Cruz/Senado
Demóstenes: "Nem tudo que se diz se faz"

Tudo sobre o caso Cachoeira

"Apesar do relacionamento de amizade, nunca tive negócios com Carlos Cachoeira”
Demóstenes Torres, em sua primeira defesa, na tribuna do Senado em 06/03.

“Este plenário, sábio como é, pela voz dos seus líderes, dos seus integrantes, reduziu o fato à sua real dimensão. [...] Vossa Excelência não cometeu nenhuma afronta à ética!”
José Agripino (DEM-RN), presidente do DEM e um dos 44 senadores que fizeram ato de desagravo a  Demóstenes em 06/03.

"O que tá aprovado lá é o seguinte: ‘transforma em crime qualquer jogo que não tenha autorização’. Então inclusive te pega, né? Então vou mandar o texto pra você. Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás."
De Demóstenes para Cachoeira, em grampo do dia 29/04/2009, divulgado pelo jornal O Globo em 30/03/2012.

“Rapaz, faz festa e não chama os amigos?”
Governador Marconi Perillo (PSDB-GO), em telefonema de aniversário para Cachoeira, em conversa divulgada em 27/04 pelo Congresso em Foco.

"A relação com o PMDB vai azedar na CPI. Mas não se preocupe, você é nosso e nós somos teu [sic]"
Cândido Vaccarezza (PT-SP), em mensagem de texto enviada para o celular do governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ), um dos alvos da CPI, em 17/05.

"Isso é ridículo. Estamos aqui perguntando para uma múmia. Eu não vou ficar aqui dando ouro para um bandido. (...) Não vamos fazer papel de bobo para um chefe de quadrilha com cara de cínico."
Kátia Abreu (PSD-TO), senadora irritada com o silêncio de Cachoeira na CPI, em 22/05.

“Quando o assunto é o Agnelo, o relator é uma tchutchuca. Quando o assunto é o Perillo o relator vira tigrão”
Fernando Francischini (PSDB-PR), em referência ao tratamento dispensado pelo relator da CPI, Odair Cunha (PT-MG), aos governadores petista e tucano, em 24/05.

"Nem tudo o que se diz se faz"
Demóstenes, em depoimento ao Conselho de Ética em 29/05.

“O seu silêncio é a mais perfeita tradução da sua culpa. Esse seu silêncio escreve em letras garrafais: ‘eu, Demóstenes Torres, sou, sim, membro da quadrilha de Carlinhos Cachoeira. Eu, senador Demóstenes Torres, sou, sim, o braço legislativo da quadrilha do senhor Cachoeira”, disse Sílvio Costa.
Silvio Costa (PTB-PE), deputado, atacando Demóstenes por se recusar a falar na CPI, em 31/05.

“Um parlamentar não pode tratar quem quer que seja com indignidade, não me interessa quem seja o investigado”
Pedro Taques (PDT-MT), senador, reprovando o ataque de Silvio Costa a Demóstenes, em 31/05.

"Você é um merda. Filho da puta. Você é um merda."
Silvio Costa, em réplica a Taques.

"Vossa Excelência não me meça pela sua régua"
Pedro Taques, em tréplica a Silvio Costa, em 31/05.

"Eu não mexo com dinheiro de jeito nenhum. Passe em umas cinco contas pulverizadas que não têm nada a ver com a campanha."
Raul Filho, no vídeo exibido em 01/07 pelo Fantástico, da TV Globo.

“Nós estamos colocados nisso como um boi expiatório (...) Eu tive a infelicidade de ser filmado”
Raul Filho (PT), prefeito de Palmas, em depoimento à CPI do Cachoeira, em 10/07, negando ter recebido doação negociada com Cachoeira em vídeo exibido, dias antes, pelo Fantástico.

“Os fatos que se seguiram mostraram e demonstraram que estávamos diante de um caso típico de ídolo de pés de barros.”
Senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP), ao defender a cassação de Demóstenes no plenário, em 11/07

“Fui perseguido como um cão sarnento. Tudo que aconteceu na minha vida e o que não aconteceu veio a público.”
Demóstenes Torres, em seu último discurso antes da cassação, em 11/07.

As frases de um semestre de strip-tease político

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!