Delegado nada acrescentou à CPI, dizem parlamentares

Responsável pela na Operação Vegas, delegado Raul Marques de Souza foi questionado sobre a demora da PGR a pedir inquérito contra parlamentares envolvidos com Cachoeira

Primeiro a prestar depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do Carlinhos Cachoeira, o delegado federal Raul Marques de Souza, responsável pela Operação Vegas, não acrescentou informações novas ao que o colegiado já sabia sobre o esquema. Pelo menos essa é a avaliação de membros da CPMI criada no mês passado para investigar as relações do bicheiro Carlos Augusto Ramos com agentes públicos e privados.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Parlamentares questionaram o delegado se houve prejuízo pela demora do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, em enviar o inquérito ao Supremo Tribunal Federal (STF). Para muitos, ficou a impressão de que Gurgel deveria, em 2009, ter solicitado a abertura de inquérito para investigar o senador Demóstenes Torres (sem partido, ex-DEM-GO) e outros parlamentares. De acordo com informações obtidas pelo Congresso em Foco, Souza evitou fazer juízo de valor sobre a atuação do procurador-geral da República.

"A Operação, que para a PGR não revelou indícios de crimes por parte de parlamentares, tem 61 mil gravações telefônicas. E a Montecarlo muito mais", relatou o deputado Chico Alencar (Psol-RJ), sobre informações prestadas pelo delegado. ara o deputado Ivan Valente (Psol-SP), falta uma explicação sobre o motivo de Gurgel não ter feito nada a respeito do inquérito da Operação Vegas. Apesar de não ter sido concluída, a operação Vegas deu origem à Operação Monte Carlo, que resultou na prisão de Cachoeira em fevereiro deste ano.

"Perdemos tempo. O delegado é muito correto e decente, mas apenas repetiu o que já está nos autos da investigação", disse o deputado Silvio Costa (PTB-PE). "O que tinha na Vegas que depois ela travou? Por interesse de quem?", completou o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), sobre as dúvidas que persistem. Para os integrantes da CPI, o depoimento serviu apenas para reforçar a convicção sobre o envolvimento de parlamentares, como o senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) e o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO), na opinião do senador Randolfe Rodrigues (Psol-AP).

A oitiva do delegado Raul Alexandre Marques Sousa, responsável pela Operação Vegas, foi a primeira da CPMI. Na quinta-feira (10), devem ocorrer os depoimentos do delegado Matheus Mella Rodrigues e dos procuradores da República Daniel de Rezende Salgado e Lea Batista de Oliveira, responsáveis pela investigação da operação Monte Carlo. Ambos serão realizadas à portas fechadas.

Depoimentos de delegados e promotores na CPI será sigiloso
Saiba mais sobre o Congresso em Foco (dois minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!