Delator diz ter comprovante de depósitos atribuídos a Cunha

Segundo o empresário Leonardo Meirelles, Youssef afirmou que o destinatário dos US$ 5,1 milhões repassados por ele era o presidente da Câmara. Depoente, no entanto, diz não saber se o dinheiro, de fato, chegou ao deputado

O empresário Leonardo Meirelles disse ter comprovantes de depósitos bancários, que somam US$ 5,1 milhões, de valores que recebeu e repassou ao doleiro Alberto Youssef. O doleiro, segundo ele, afirmou que o destinatário do dinheiro era o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Em depoimento ao Conselho de Ética, Leonardo disse não ter feito qualquer depósito diretamente ao peemedebista nem saber se, de fato, o recurso chegou a Cunha.

Um dos delatores da Operação Lava Jato, Leonardo Meirelles cedia empresas para que Youssef fizesse repasses ao exterior destinados a beneficiários do esquema de corrupção na Petrobras. O empresário afirmou que recebeu três transferências em 2012 de uma empresa de Júlio Camargo em uma conta bancária na China. Segundo ele, os US$ 5,1 milhões foram convertidos em reais e entregues em espécies ao policial federal Jayme Careca, ajudante de Youssef.

"Uma semana após a operação, almoçando com o Alberto (Youssef), nesse mesmo dia eu vi o Júlio (Camarg) saindo do escritório do Alberto, fomos almoçar e ele me disse: 'Você nem imagina a pressão que eu estava sofrendo'. E disse que era do investigado, que era de Eduardo Cunha", afirmou.

O empresário contou que pediu autorização ao juiz Sérgio Moro para buscar os extratos das transações bancárias em Hong Kong e que entregou o material à Procuradoria-Geral da República. Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal (STF), acusado de ter recebido propina em troca de contratos de navios-sondas das empresas Samsung Heavy Industries Co. e da japonesa Mitsui com a Petrobras.

Leonardo foi questionado por defensores de Cunha por que veio depor em Brasília com recursos próprios. “Vim cumprir meu papel de cidadão”, respondeu. O presidente da Câmara não autorizou o pagamento da passagem da testemunha em seu processo de cassação e tentou barrar o depoimento dele e de outras pessoas que o incriminam. O pedido, no entanto, foi barrado pela ministra Cármen Lúcia.

O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), acusou o presidente da Câmara de tentar atrapalhar o andamento do processo e prometeu buscar ressarcimento para o delator. “É, claramente, uma tentativa de obstrução dos trabalhos”, declarou.

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!