Delator da Operação Lava Jato pede perdão judicial

A defesa do ex-consultor da Toy Setal Júlio Gerin de Almeida Camargo argumenta que ele merece o benefício por ter ajudado a identificar pessoas e detalhes sobre os desvios de recursos na Petrobras

A defesa de um dos delatores do esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato pediu à Justiça Federal perdão judicial. Os advogados de Júlio Gerin de Almeida Camargo, ex-consultor da empresa Toyo Setal, alegam que o acusado merece o benefício por ter ajudado a identificar pessoas e detalhes sobre os desvios de recursos na Petrobras.

Em resposta à abertura da ação penal contra Camargo, ocorrida em dezembro passado, a defesa reafirmou todas as declarações dele em depoimento de delação premiada firmado com o Ministério Público Federal (MPF). O executivo confirmou pagamento de US$ 30 milhões ao empresário Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, para intermediar a compra de sondas de perfuração para a Petrobras.

“Desta forma, procedem por completo os fatos narrados na denúncia oferecida nos presentes autos, por serem absolutamente fiéis às declarações prestadas por Júlio Gerin de Almeida Camargo em colaboração premiada e, ainda, aos documentos por ele apresentados”, declarou a defesa.

No termo de delação, Camargo afirmou que em 2005 atuou como agente da empresa Samsung para vender para a Petrobras duas sondas de perfuração de águas profundas na África e no Golfo do México.  Para fechar o negócio, o delator disse que procurou Soares "pelo sabido bom relacionamento" dele na Área Internacional e de Abastecimento da empresa, dirigidas à época por Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa, respetivamente.

Na mesma ação penal são réus Nestor Cerveró, o empresário Fernando Baiano e o doleiro Alberto Youssef. O prazo para que os advogados dos demais acusados apresentem resposta às acusações vence na semana que vem.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!