Delação de Machado domina festa junina de Heráclito Fortes

Depoimento do ex-presidente da Transpetro foi o principal assunto entre os políticos que compareceram ao "Arraiá dos Fortes", promovido neste sábado pelo deputado Heráclito Fortes, em Brasília

A delação do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado foi o centro das conversas no último sábado (18), durante a festa junina oferecida pelo deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), no Lago Sul, em Brasília. O parlamentar foi citado no depoimento de Machado como um dos políticos que recebeu propina por meio da subsidiária da Petrobras. Heráclito nega a acusação, e classificou a delação como "mentirosa". De acordo com reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, o anfitrião brincou diversas vezes que o banquete e a bebida eram um oferecimento do delator.

Heráclito Fortes é autor de um projeto (PL 2.755/2015) que busca alterar as regas da lei que regula as delações premiadas. Pela proposta, quem fizer o acordo não poderá mudar alterar ou acrescentar informações depois do primeiro depoimento, sob o risco de perder benefícios obtidos com a colaboração. Além disso, o PL estabelece que um mesmo advogado não pode atender a dois delatores ao mesmo tempo.

Durante a festa junina, o deputado afirmou que irá ao Ministério Público nesta semana para questionar acusações que constam na delação de Machado. “Quando eu fiz o projeto era justamente para punir o mentiroso”, disse. Muitos parlamentares que participaram da comemoração admitiram que as acusações feitas pelo ex-presidente da Transpetro está prejudicando o início do governo Michel Temer. “Ele não pode colocar tudo no mesmo saco, ali tem culpados e inocentes. Os jornais colocam a foto dos políticos como se fossem todos criminosos”, disse um deputado. “Não sei aonde esse cara quer chegar?”, questionavam-se alguns convidados.

O senador Fernando Collor compareceu ao "Arraiá dos Fortes" e, ao se despedir do anfitrião, fez questão de dizer, na frente dos repórteres que acompanhavam a festa, que prestava "absolutamente, integralmente e imensamente" sua solidariedade contra o procurador-geral da República, Rodrigo Janot. O senador é um dos políticos investigados pela Operação Lava Jato, em agosto do ano passado Collor chegou a xingar Janot de "filho da puta" no Plenário do Senado. Na festa, Collor voltou a insultar o PGR e disse que tinha tanta certeza de que ele era um “fdp” que não tinha receio de falar novamente isso na tribuna do Senado.

Leia a reportagem completa no jornal O Estado de S.Paulo

Mais sobre Operação Lava Jato

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!