Defensores de Dilma conseguem ganhar tempo em sessão do impeachment

Primeiras três horas da sessão de pronúncia do impeachment no Senado foram dedicadas às questões de ordem apresentadas por aliados da presidente afastada. Líderes já trabalham com a possibilidade de adiar a votação para amanhã

Com a apresentação de oito questões de ordem e apenas uma delas acatada, em parte, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, os senadores que defendem a presidente fastada Dilma Rousseff conseguiram ganhar tempo na sessão de pronúncia do impeachment desta terça-feira (9). Somente após três horas de sessão o relator da Comissão do Impeachment, senador Antônio Anastasia (PSDB-MG) começou a leitura de seu parecer - favorável à continuidade do processo.

Lewandowski optou por responder primeiramente aos pedidos mais importantes, apresentados pelos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Humberto Costa (PT-PE), que queriam a suspensão do processo ou sua transformação em diligência até o fim das investigações da Operação Lava Jato. O presidente do STF classificou o pedido como "estranho" ao processo de impeachment e não o acatou. Apesar de terem apresentados oito questionamentos, os defensores de Dilma previam inicialmente dez questões de ordem para a sessão de hoje.

O pedido deferido por Lewandowski foi feito pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), que solicitou a retirada de palavras ofensivas das notas taquigráficas. "Respeito a imunidade parlamentar e confio no bom senso", afirmou Lewandowski, ressaltando que não faria o controle sobre as palavras dos senadores, mas estaria atento às discussões.

Fiel aliada de Dilma, Vanessa chegou a citar o senador democrata norte-americano Bernie Sanders para prolongar o debate e argumentar sobre a tese de que o impeachment seria um golpe. Sanders, que foi derrotado por Hillary Clinton na corrida eleitoral pela Casa Branca, afirmou que "o controverso processo de impeachment mais parece um golpe de Estado". Ao citar o político americano, Vanessa foi interrompida pelo presidente da sessão.

Até o intervalo para o almoço, às 13h, 55 senadores estavam inscritos para falar. De acordo com os registros da Secretaria da Mesa, José Medeiros (PSD-MT) é o primeiro orador. Com a previsão de duração acima das 20 horas estimadas inicialmente, os líderes já trabalham com a possibilidade de interromper o debate às 23 horas e retornar amanhã (quarta, 10) às 9 horas.

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!