“Trapalhada com Renda Brasil não poder ser imputada apenas a Guedes”, diz Flávio Dino

O presidente Jair Bolsonaro publicou um vídeo desautorizando a equipe de Paulo Guedes. Ele desmentiu as últimas notícias de que o ministério da Economia  estuda congelar aposentadorias e cortar benefícios sociais de idosos e deficientes para financiar o Renda Brasil.

Além disso, Bolsonaro proibiu a discussão sobre o programa, substituto do Bolsa Família. "Até 2022, no meu governo, está proibido falar a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final", disse.

A manifestação do presidente repercutiu entre entre os poíticos. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), disse que a "trapalhada com o Renda Brasil e o Bolsa Família não pode ser imputada exclusivamente a Guedes e sua equipe".

Para o deputado Arnaldo Jardim (Cidadania-SP), Bolsonaro ficou "desguarnecido porque a equipe econômica foi incapaz de apresentar uma proposta". Para o parlamentar, Paulo Guedes "promete e não entrega resultados". "A equipe econômica acaba transmitindo insegurança com o vai e vem", disse em vídeo divulgado por sua assessoria.

O senador Eduardo Braga (MDB-AM), afirmou que "não dá para jogar a toalha" e defendeu bancar renda básica com a tributação de lucros e dividendos dos bancos.

O deputado Bohn Gass (PT-RS) afirmou que a renda mínima "nunca fez parte do projeto" do atual governo.

Gil Cutrim (PDT-MA) apontou que congelar aposentadoria é "inviável" e elogiou a postura de Bolsonaro.

Já o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que o Renda Brasil é "uma mentira".

O deputado Fábio Trad (PSD-MS) também comentou a decisão do presidente.

Apoiadores de Bolsonaro, Bibo Nunes e Carla Zambelli, ambos do PSL, elogiaram o presidente.


> Bolsonaro proíbe Renda Brasil e diz que não vai alterar Bolsa Família

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!