Governo atrasa obras do PAC previstas para 2014

Dos 11 empreendimentos, apenas dois serão concluídos até o fim do ano. Com a demora no término, custos pularam de R$ 37,6 bilhões para R$ 54,9 bilhões

Em 2011, a presidente Dilma Rousseff (PT) prometeu que 11 obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estariam entregues até o final de seu mandato. Entretanto, uma matéria do jornal O Estado de S.Paulo mostra que a presidente e candidata à reeleição chegou ao último trimestre do ano e entregará apenas dois empreendimentos relacionados ao programa.

As hidroelétricas Santo Antônio do Jari e Ferreira Gomes no Amapá são as duas obras entregues. A primeira já está em funcionamento e aguarda apenas a inauguração oficial. A segunda deverá começar a funcionar em dezembro.

Além do atraso nas obras - especialmente aquelas que estão em andamento em Pernambuco, como um trecho da transposição do São Francisco e da Refinaria Abreu e Lima – o custo para execução destes empreendimentos subiu teve um aumento de 46%, conforme a reportagem.

As 11 obras tinham custos previstos no início de 2011 de R$ 37,6 bilhões. Os valores atualmente estão em R$ 54,9 bilhões o que significa um custo adicional de 17,4 bilhões. Os projetos de saneamento básico para região Nordeste estão no topo dos mais problemáticos.

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!