Cunha se exime de responsabilidade por rebaixamento do Brasil

Segundo o presidente da Câmara, falta ao governo “uma política econômica clara” que não seja baseada "no aumento de impostos"

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), negou nesta quinta-feira (10) que o Congresso Nacional tenha qualquer responsabilidade na perda do grau de investimento do Brasil na avaliação da agência de risco Standard and Poor´s.

A retirada do selo de bom pagador do País, conquistado em 2008, foi anunciada nesta quarta-feira (9). Um dos motivos, segundo o comunicado da agência, seria a relação entre o governo e o Congresso.

Cunha, no entanto, discordou. “Qual é a proposta que o governo mandou este ano que não foi apreciada pela Câmara? Todas foram apreciadas pela Câmara: as três medidas provisórias do ajuste fiscal, a desoneração da folha de pagamento, tudo a Câmara aprovou”, listou o presidente.

Na avaliação de Cunha, o governo que foi o responsável pela crise e não fez a sua parte pela inexistência de “uma clara política econômica”. “O governo não tem a confiança hoje do mercado, dos investidores e dos consumidores para manter a atividade econômica. É isso que precisa ser restabelecido”, assinalou.

Apesar disso, Cunha assinalou que o rebaixamento da nota é fruto de um conjunto de fatores, entre os quais, a crise política pela qual o governo atravessa. “A situação política faz parte do conjunto de fatores. Mas não tenha dúvida que se os outros fatores estivessem andando a contento, não teria essa indicação de rebaixamento”, ressaltou Cunha.

Com informações da Agência Câmara

Mais sobre crise econômica

Mais sobre economia brasileira

Mais sobre orçamento

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!