Cunha obteve R$ 900 mil de “lucro indevido”, aponta comissão

De acordo com a Comissão de Valores Imobiliários, o dinheiro é resultado de um esquema de desvios dos ganhos da Cedae, companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro, entre 2003 e 2006

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) obteve “lucro indevido” de R$ 900 mil em operações financeiras realizadas entre 2003 e 2006 com fundo de pensão dos funcionários da Cedae, companhia de água e esgoto do Rio de Janeiro. É o que apontou relatório técnico da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão que fiscaliza o mercado financeiro. As informações são da Folha de S.Paulo.

O relatório sobre a Prece, o fundo de pensão, foi aberto em 2005 para investigar a movimentações realizadas entre 2002 e 2003. Os técnicos da comissão identificaram prejuízos de R$ 17 milhões, envolvendo 93 pessoas e empresas. Em 2012, abriu-se nova etapa de apuração e, dessa vez, a perda encontrada foi de R$ 39 milhões, com acusações contra 37 pessoas, incluindo Cunha.

Segundo a comissão, as fraudes foram montadas por meio de um esquema que repassava "ajustes do dia negativos (perdas) para os fundos da Prece e ajustes do dia positivos (ganhos) para determinados clientes" das corretoras. Os lucros eram distribuídos entre as pessoas físicas e jurídicas envolvidas no esquema, do qual participava o presidente da Câmara, de acordo com a CMV.

Segundo reportagem, essa é a primeira vez que o nome de Cunha está relacionado com prejuízos de fundo de pensão ligados a área de influência do peemedebista, tendo em vista que um dos ex-presidentes do órgão é afilhado político do deputado.

Confira reportagem completa da Folha de S.Paulo

Mais sobre Eduardo Cunha

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!