Cunha disse que aceita acareação se Dilma também for convocada

Deputada Eliziane Gama (PPS-MA) já protocolou pedido de convocação de Cunha na CPI da Petrobras. Requerimento será analisado no início de agosto, com o fim do recesso parlamentar

Alex Ferreira/Câmara dos Deputados
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse nesta segunda-feira (20) que aceita ficar cara a cara com o delator que o acusou de pedir 5 milhões de dólares em propina, o lobista Julio Camargo, mas desde que a presidenta Dilma Rousseff também seja convocada pela CPI da Petrobras. Ele ainda pediu que o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação, Edinho Silva, sejam acareados com delatores da Operação Lava Jato.

"Acho oportunista querer falar em acareação. Estou disposto a fazer em qualquer tempo. Aproveitem e convoquem todos os que estão em contradição. O ministro Mercadante e o ministro Edinho negam o que foi dito por Ricardo Pessoa. A presidente nega o que foi colocado pelo Youssef. Que façam acareação de todos”, disse Cunha.

A deputada Eliziane Gama (PPS-MA) já procura encaminhar a convocação de Cunha. Hoje mesmo ela protocolou na CPI da Petrobras pedido de acareação entre o peemedebista e Camargo. O pedido deve ser analisado no início de agosto, com o fim do recesso parlamentar.

Além da provocação aos petistas, Cunha também já se manifestou publicamente contra a investigação. Após depoimento em que Camargo o acusou de estar envolvido no esquema de propina, Cunha disse que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se articula com o Palácio do Planalto para prejudicá-lo, incriminando-o na Operação Lava Jato. Um dia após a revelação do suposto envolvimento de Cunha, ele anunciou rompimento com o governo.

Troca de acusações

Mais do que acusado por Julio Camargo, Eduardo Cunha também foi nome lembrado na delação premiada da peça-chave do esquema, o doleiro Alberto Youssef. O delator disse que o peemedebista seria um dos beneficiários das propinas oriundas de contrato de aluguel de um navio-plataforma das empresas Samsung e Matsui.

De acordo com o doleiro, requerimentos apresentados pela ex-deputada federal Solange de Almeira (PMDB-RJ) para auditoria dos contratos com as empresas foram encomendados pelo presidente da Casa. A manobra foi utilizada como uma espécie de ameaça às empresas, que haviam suspendido o pagamento de propina.

Por conta do suposto envolvimento, Cunha é um dos políticos investigados no âmbito do Supremo Tribunal Federal. Ele é alvo de inquérito da Lava Jato por lavagem de dinheiro e corrupção passiva.

Os desafiados por Cunha para futura acareação não respondem a qualquer investigação formal. Já Dilma foi citada, a exemplo de Lula, em depoimento de Youssef, mas ambos estão fora do rol de investigados da Lava Jato. O doleiro afirmou, sem apresentar provas, que a atual e o ex-presidente sabiam do esquema de corrupção na estatal.

Já Mercadante e Edinho, segundo a revista Veja, foram citados pelo empreiteiro da UTC Ricardo Pessoa. Eles teriam se beneficiado de dinheiro de propina para campanha presidencial de Dilma.

Mais informações sobre Operação Lava Jato

 

 

Continuar lendo