Cunha decidirá sobre pedido de impeachment de Dilma na terça-feira

Nos bastidores, fontes ligadas ao PT dizem que Cunha faz uso do pedido de impeachment para pressionar a presidente a substituir o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por Michel Temer

Com pressão vindo da base governista e da oposição para afastamento do cargo, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), diz que atuará normalmente na Casa legislativa. Na agenda da semana, Cunha disse que analisará, na terça-feira (13), pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff elaborado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior. O peemedebista explicou que, caso o pedido seja rejeitado, o plenário da Câmara pode entrar com recurso, que deve ser aprovado por maioria simples dos presentes na sessão. As informações são do jornal O Globo.

Segundo Cunha, o procedimento que será aplicado sobre o pedido foi definido pelo vice-presidente Michel Temer, quando ele foi presidente da Câmara. Ao jornal, o peemedebista não informou se irá se posicionar pela rejeição ou aprovação do requerimento de Bicudo, que é apoiado pelo PSDB. Sobre o pedido de afastamento de cargo que recai sobre Cunha, o presidente da Câmara disse mais uma vez que não se afastará nem renunciará à presidência. “Minha atuação será normal (na terça-feira). Vou tomar uma decisão”, disse Cunha.

Os deputados Paulo Teixeira (PT-SP), Wadih Damous (PT-RJ) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA) protocolaram junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma representação e dois mandados de segurança para tentar barrar a tramitação dos pedidos de impeachment que correm contra a presidente. Cunha manteve seu argumento. “O deputado Paulo Teixeira ir ao STF é um direito dele, mas a minha decisão de questão de ordem (apresentada pelo líder do DEM, deputado Mendonça Filho) está correta e seguiu a mesma decisão de Michel Temer quando era presidente (da Câmara)”, respondeu Cunha.

Nos bastidores, petistas tem dito que Cunha usa do pedido de impeachment para pressionar a substituição do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por Michel Temer. Cunha nega ter defendido que o vice-presidente ocupe o ministério e diz não ter falado sobre o tema “com ninguém”. No entanto, segundo fontes do jornal, o peemedebista tem dito que os vazamentos seletivos sobre a Operação Lava Jato são fruto da má atuação de Cardozo.

Confira matéria completa

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!