Crise hídrica no DF: Começa redução na pressão da água em cidades abastecidas pelo Santa Maria

As regiões ainda não foram afetadas pelo racionamento e não existem previsões para que a medida seja implementada. Atualmente, o volume de água no sistema Santa Maria é de 40,42%

 

Com volume de chuvas bem abaixo da média neste mês, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) começou, nesta segunda-feira (30), procedimentos para reduzir a pressão nas redes de água em cidades abastecidas pelo Sistema Santa Maria/Torto. As regiões ainda não foram afetadas pelo racionamento e não existem previsões para que a medida seja implementada. Atualmente, o volume de água no sistema Santa Maria está em 40,42%.

De acordo com informações da Caesb, os técnicos ficarão pelos próximos três dias fazendo ajustes de válvulas e registros na região da Asa Norte. A ideia é que a redução ocorra nos níveis desejados pela Companhia e não coloque em risco a estrutura física das redes de água. As equipes seguirão um calendário definido pela companhia.

As regiões afetadas pela medida são: Asa Norte, Asa Sul, Noroeste, Sudoeste, Lago Norte, Lago Sul, Jardim Botânico, Paranoá, Itapoã, Setor de Mansões do Lago Norte, SOF-Sul, Condomínio Park Sul Prime Residence e Living Superquadras Park Sul. A redução da pressão nessas cidades será por tempo indeterminado. Ainda segundo a Caesb, é necessário que o nível do reservatório do Santa Maria esteja em condição favorável para que o abastecimento seja normalizado.

A redução será feita em válvulas localizadas em diversas áreas. Locais como o Cruzeiro, Octogonal, SIA, SCIA, SMU, Cidade Estrutural, Varjão, Taquari e Jardins Mangueiral são abastecidos diretamente por reservatórios e não sofrerão, inicialmente, a redução de pressão. Com a medida, há uma preservação maior das estruturas da rede de água.

“É importante ressaltar que essa técnica de redução garante uma pressão positiva na rede de distribuição ao longo de todo o dia”, afirma a Caesb ao acrescentar que a diminuição na pressão não deixa o morador sem água.

No racionamento, durante um período previamente estabelecido, o abastecimento é interrompido por completo. Até o momento, apenas regiões supridas pelo Reservatório do Descoberto sofreram o corte, também iniciado em janeiro. Nessas regiões, a redução na pressão começou em novembro e foi uma das primeiras ações da Caesb para tentar controlar a crise hídrica na capital.

Chuvas não serão suficientes

De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a partir de quarta-feira (1º) a previsão é que o tempo feche e tenham pancadas de chuvas até o próximo sábado (4). Para janeiro, a média do volume de chuvas ficou bem abaixo dos últimos anos. De acordo com a meteorologista Morgana Almeida, a previsão é de que em fevereiro as chuvas venham regularmente. No entanto, ela destaca que não “haverá chuvas suficientes para elevar os níveis dos reservatórios”.

Tarifa de Contingência

A tarifa de contingência já é uma realidade. Implementada em outubro de 2016, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa) recorreu da liminar expedida pela Justiça do DF que suspendia a cobrança. Assim, a medida voltou a valer no dia 22 de dezembro.

Conforme resolução da agência reguladora, “a unidade usuária cujo consumo mensal de água ultrapassar 10m³ fica sujeita à Tarifa de Contingência”. Nestes casos, a fatura poderá chegar com até 40% de aumento. De acordo com o órgão, a medida vale durante o período de escassez e busca estimular a redução no consumo em função da ameaça de desabastecimento.

A Caesb informou que a tarifa está sendo cobrada na conta do usuário e é incidida exclusivamente sobre o valor faturado da água. As especificações devem vir separadas e detalhadas na conta. “Cada usuário saberá exatamente quanto está pagando”, explicou a companhia. O percentual ficou definido em 40% para a categoria residencial normal, 20% para os usuários da categoria residencial popular e 20% para as categorias não residenciais (comercial, industrial e pública).

Confira o calendário de implantação dos locais atingidos com a redução de pressão:

30/01 – Asa Norte

02/02 – Asa Sul, Noroeste e Sudoeste

06/02 – Lago Norte

09/02 – Lago Sul

13/02 – Jardim Botânico

15/02 – Paranoá, Itapoã e Setor de Mansões do Lago Norte

17/02 – SOF-Sul, Condomínio Park Sul Prime Residence e Living Superquadra Park Sul

 

Mais sobre crise hídrica no DF

Continuar lendo