CPMI da Petrobras terá relatório paralelo da oposição

Oposicionistas elaboram um texto sobre a atuação do governo no colegiado criado para investigar denúncias de corrupção na Petrobras. Entre as críticas, o bloqueio pelo governo da votação de requerimentos de quebra de sigilo de empreiteiras

A oposição decidiu apresentar relatórios alternativos com críticas ao governo na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Petrobras como reação às atitudes do governo para blindar a estatal e as empreiteiras investigadas. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, um dos texto dos oposicionistas está sob responsabilidade do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), integrante da CPMI e coordenador jurídico da campanha presidencial derrotada do senador Aécio Neves (PSDB-MG). O outro com o PPS.

Instalada em maio, a CPMI não conseguiu avançar nas investigações em comparação aos inquéritos que tramitam na Justiça. Um dos pontos baixos, na visão de oposicionistas, foi o fato de que as empreiteiras não tiveram seus sigilos quebrados na comissão. Os relatórios paralelos, de acordo com o Estadão, devem adotar o discurso de que, por serem minoria e não terem o controle do comando da comissão, ficaram a reboque da blindagem do Palácio do Planalto.

Para a oposição, um dos pontos altos da comissão foi a acareação da semana passada entre dois ex-diretores da estatal. Paulo Roberto Costa, que comandou a área de Abastecimento e foi preso na Operação Lava Jato, e Nestor Cerveró se confrontaram no colegiado. A convocação do ex-diretor de Serviços Renato Duque também foi considerada positiva.

Leia a íntegra da matéria

Mais sobre a CPMI da Petrobras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!