CPI mista da Petrobras convoca Paulo Roberto e AlbertoYousseff

Graça Foster e José Sérgio Gabrielli também serão chamados à comissão. Parlamentares aprovaram cerca de 230 dos mais de 600 requerimentos apresentados

A CPI mista da Petrobras aprovou, nesta terça-feira (3), o plano de trabalho proposto pelo relator, deputado Marco Maia (PT-RS). Cerca de 230 dos mais de 600 requerimentos apresentados foram aprovados por deputados e senadores. Entre eles, pedidos de convocação do ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e do doleiro Alberto Yousseff, presos em março na Operação Lava Jato da Polícia Federal. O ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró também será chamado à comissão para explicar o relatório classificado como “tecnicamente falho” pela presidenta Dilma Rousseff e que embasou a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. Mais cedo, a CPI do Senado marcou para a próxima terça-feira (10) o depoimento de Paulo Roberto.

 

Além da negociação da refinaria, a CPI mista também se debruçará sobre outros três assuntos: denúncias de pagamento de propina a funcionários da Petrobras, superfaturamento na construção da refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, e suspeita de falta de segurança nas plataformas da empresa.

A presidente da Petrobras, Graça Foster, e o seu antecessor, José Sérgio Gabrielli, também foram convocados pela CPI. Mas, por sugestão do relator, só irão ao Congresso depois dos depoimentos de Cerveró, Yousseff e Paulo Roberto Costa. Marco Maia argumentou que seria mais produtivo para as investigações reunir mais informações antes de ouvir Graça e Gabrielli – os dois prestaram depoimento na semana passada à CPI do Senado.

Os parlamentares decidiram, ainda, solicitar cópia dos inquéritos da Operação Lava Jato, das atas das reuniões do Conselho de Administração da Petrobras, entre outros documentos.

Leia mais sobre a Petrobras

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo