CPI está “no rumo certo”, diz deputado do PSDB

Rodolfo Stuckert/Câmara

A decisão tomada pela CPI do Cachoeira de adiar depoimentos de políticos e autoridades para uma segunda fase foi muito criticada e mesmo interpretada como um acordo entre os partidos do governo e da oposição para blindar os companheiros que ficaram na berlinda por conta do que investigou a Polícia Federal nas Operações Vegas e Monte Carlo. Não é o que pensa o promotor de Justiça licenciado e deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), um dos integrantes da bancada da oposição na CPI. Para ele, a comissão está no rumo certo para desvendar as relações e eventuais crimes do bicheiro com políticos e empreiteiras.

Ele diz que o plano de trabalho, de autoria do relator da comissão, Odair Cunha (PT-SP), está correto e que é necessária mesmo uma fase preliminar de conhecimento da investigação e de oitivas com os membros da quadrilha para se produzirem provas novas além daquelas já trazidas pelas Operações Vegas e Monte Carlo, da Polícia Federal, que escancararam o relacionamento do bicheiro Carlos Augusto Ramos com o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO) e a construtora Delta.

 

Para avançar, diz Sampaio, será necessário usar de “criatividade investigativa”. Isso porque a CPI já vem com um conjunto de provas sobre a atuação de uma quadrilha de jogos de azar e um conjunto de indícios do chefe dessa organização com autoridades e políticos, como governadores, senadores e deputados. Em entrevista ao Congresso em Foco, ele afirma que é função da comissão “apresentar provas novas e não continuar repisando provas já realizadas”.

Sampaio não tem grandes esperanças no depoimento do contraventor Carlinhos Cachoeira, previsto para a próxima terça-feira (22). “Ele vai falar aquilo que convém à sua defesa”, prevê o deputado, que imagina frases como: “Nesse caso eu agi assim. Não foi uma atuação criminosa, foi uma atuação empresarial”.

Leia outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Tudo sobre a CPI do Cachoeira

Carlos Sampaio tem 49 anos. É promotor de Justiça licenciado do Ministério Público de São Paulo, onde atuou na área da infância e juventude, direito de consumidores e pessoas com deficiência, proteção ao meio ambiente, além do controle das atividades das polícias. De Campinas (SP), está em seu terceiro mandato como deputado federal e já foi vereador e deputado estadual. Em 2005, destacou-se na CPI dos Correios, que investigou o mensalão, esquema em que, segundo a Procuradoria Geral da República, o PT pagava parlamentares para votarem de acordo com interesses do governo Lula.

Ele conversou com o Congresso em Foco na quarta-feira (16) à tarde, à porta do cafezinho do plenário da Câmara.

Ouça aqui a entrevista

Leia aqui a entrevista

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!