CPI do Vazamento de Óleo: pedido ganha apoio de todos os partidos e é protocolado

Mais de 250 deputados assinaram o requerimento que pede a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar a origem do óleo que há mais de 50 dias atinge o litoral nordestino e avaliar as medidas que vêm sendo tomadas pelo governo para combater o problema. O pedido da CPI do Vazamento de Óleo foi protocolado nesta quarta-feira (23) pelo deputado João Campos (PSB-PE), que tem recebido apoio de líderes da oposição e do centro e até de alguns deputados da direita para avançar com as investigações e, por isso, acredita que a CPI será instalada em breve na Câmara.

> PT pede que TCU e PGR apurem ação da União na contenção do óleo no Nordeste

"Tivemos uma reunião com o presidente Rodrigo Maia e com os líderes. Os líderes estão sensíveis e se colocaram à disposição para colaborar", contou João Campos, que, em apenas três dias, conseguiu coletar bem mais que as 171 assinaturas que eram necessárias para que o pedido de CPI do Vazamento do Óleo fosse protocolado na Câmara.

Segundo João Campos, entre as mais de 250 assinaturas que foram apresentadas à Secretaria Geral da Mesa, há representantes de todos os 25 partidos que têm representação na Câmara. Para ele, que já criticou e chamou de ineficiente a ação do governo federal na contenção do óleo, esta é uma prova de que o Congresso não vai fechar os olhos para o que está acontecendo no Nordeste.

"Esta não é uma luta de uma bandeira político-partidária. É uma luta de quem defende uma região brasileira, de quem defende o direito à natureza e tem cuidado com a nossa sociedade e com o nosso ecossistema. [...] O Parlamento, que tem sido um ambiente de diálogo no Brasil, não poderia deixar de ter o seu protagonismo e de ajudar o povo diante do maior desastre ambiental em extensão da história do país", afirmou o deputado, que é filho de Eduardo Campos.

Líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ) confirmou que é difícil unir tantos partidos e coletar um número tão grande de assinaturas em um pedido de CPI. "É a certeza de que esta não é CPI para fazer política, mas para avaliar a mais grave crise ambiental no Brasil", disse. Marcelo Freixo (Psol-RJ) também reforçou que, diante disso, a expectativa é que a CPI do Vazamento de Óleo não caia no esquecimento como outros pedidos de CPI que são apresentados à Câmara e realmente seja instalada pelo presidente Rodrigo Maia.

Se de fato for instalada, a CPI do Vazamento de Óleo se propõe a "investigar as origens das manchas de óleo que se espalham pelo litoral do Nordeste, bem como avaliar as medidas que estão sendo tomadas pelos órgãos competentes, apurar responsabilidades pelo vazamento e propor ações que mitiguem ou cessem os atuais danos e a ocorrência de novos acidentes". Segundo João Campos, é uma forma de identificar e punir os responsáveis pelo vazamento atual, combatê-lo e também criar propostas que ajudem a evitar a ocorrência de novos desastres ambientais como esse.

> Vazamento de óleo se espalha pelo Nordeste há mais de um mês sem explicações

>Derramamento de óleo é alvo de pedido de CPI na Câmara

Catarse

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!