CPI aprova quebra de sigilo de governadores do DF e GO

Requerimentos votados tornam oficiais os pedidos de Agnelo Queiroz e de Marconi Perillo. Ambos colocaram seus dados sigilosos à disposição da comissão

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Cachoeira aprovou nesta quinta-feira (14) a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico dos governadores do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), e de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Ao votar os requerimentos, a CPI formaliza os pedidos feitos ontem (13) pelos governadores. Agnelo provocou a reação de Perillo ao colocar à disposição os dados de forma voluntária.

Leia tudo sobre o Caso Cachoeira

Apesar dos dois autorizarem a quebra dos sigilos, a CPI precisa votar e aprovar os requerimentos para ter acesso às informações. Somente com a aprovação é que o colegiado pode enviar aos órgãos competentes, como Banco Central e Receita Federal. A quebra dos sigilos dos governadores vai abranger o período de dez anos.

De acordo com o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), foram aprovados até agora 328 requerimentos, 57 sigilos quebrados, 18 pessoas convocadas - entre elas Agnelo e Perillo - e outras três convidadas. A comissão foi criada em abril para investigar as relações do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados. É um desdobramento da Operação Monte Carlo, deflagrada pela Polícia Federal em fevereiro.

Na sequência, a CPI vota os pedidos de convocação de Fernando Cavendsih, ex-presidente da Delta Construções, e do ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT) Luiz Antônio Pagot. Depois, o relator da CPI, deputado Odair Cunha (PT-MG), deve sugerir requerimentos para serem votados.

Leia também:
Agnelo não respondeu tudo, mas teve desempenho elogiado
Depoimento de Perillo durou mais mais de oito horas

Saiba mais sobre o Congresso em Foco (2 minutos em vídeo)

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!