Correios e fundo de pensão investem em transações suspeitas

Reportagem da revista Época mostra que Postalis e a estatal apostaram mais de R$ 300 milhões em negócios imobiliários arriscados. Como comprar terrenos em São Paulo e Brasília

Os Correios e o Postalis, um dos maiores fundos de pensão do país, apostaram mais de R$ 300 milhões em transações imobiliárias suspeitas. De acordo com reportagem da revista Época desta semana, a compra de um terreno em Cajamar (SP) e outro em Brasília provocaram até alertas dos advogados da empresa, preocupados com a legalidade do negócio.

Um dos negócios envolve uma empresa aberta em Wellington, capital da Nova Zelândia, e um terreno em Cajamar. Os Correios queriam comprar uma área para abrir seu novo centro de logística. Mas, como não tinha dinheiro suficiente, recorreu ao Postalis, que acabou desembolsando R$ 194 milhões para adquirir a área, pertencente a Latam Real State New Zealand.

A ideia era que o fundo de pensão comprasse e depois alugasse para a estatal por R$ 21 milhões anuais. Porém, como até agora a obra não ficou pronta, o Postalis não recebeu um centavo.

O outro foi a compra, por R$ 123 milhões, de um terreno de 73 mil metros quadrados em Brasília para erguer o Centro de Cartas e Encomendas da capital federal. Após dois anos do negócio ser concretizado - contra a recomendação do jurídico da estatal - nada foi erguido. Isto porque as normas urbanísticas da cidade impedem a construção de empreendimentos comerciais no local.

Leia a íntegra da matéria no site da revista Época

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!