Sucessão na Câmara: PMDB escolhe candidato anti-impeachment para suceder Cunha

Marcelo Castro foi ministro da Saúde do governo Dilma e pediu exoneração do cargo para votar contra o impedimento na Câmara. Agora, é a aposta do partido para atrair apoio das bancadas do PT, PCdoB, Rede e PDT

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (12), o PMDB oficializou o apoio ao deputado Marcelo Castro (PI) como candidato da legenda à disputa pela Presidência da Câmara. Castro derrotou por 28 votos a 18 no segundo turno da disputa interna do partido o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.

O ex-ministro da Saúde do governo da presidente afastada Dilma Rousseff foi exonerado para votar contra o impeachment da petista em plenário da Casa. Agora, Castro é acolhido pelo partido, que aposta no parlamentar para atrair o apoio das bancadas do PT, PCdoB, Rede e PDT. Esta é a primeira tentativa de reaproximação do PMDB desde o rompimento com o PT, em março deste ano. Castro foi o quarto deputado a registrar sua candidatura na Mesa Diretora da Câmara para disputar a eleição, e hoje conseguiu a aprovação dos colegas de bancada.

 

Três candidatos do partido disputaram o apoio da legenda, mesmo assim, Castro avalia que não existe nenhum tipo de divisão dentro do PMDB. Ele enfatiza ainda que ser o "escolhido" dentro das quatro possíveis candidaturas o deixa "fortalecido". O ex-ministro também destacou que existe grande chance de um aliado ao governo ganhar as eleições: "Todos os candidatos que eu conheço, excluindo a deputada Luiza Erundina, são da base do governo. Agora, o que o governo deve fazer? Não interferir na disputa interna", destaca.

"Vou pedir apoio dos 512. O meu compromisso é de trazer a paz para a Casa. De trazer a tranquilidade, harmonia, estabilidade, previsibilidade. Nós, e a sociedade brasileira, já estamos cansados de tanto excesso. Está na hora de a gente criar um ambiente favorável às medidas e às reformas que com certeza precisarem implementar nesse curto tempo. Estou sendo candidato para concluir um mandato do PMDB", enfatizou o ex-ministro.

Com a candidatura de Marcelo Castro, PMDB se afasta do chamado "centrão", que reune parlamentares do PP, PR, PSD, PTB, PROS, PSC, SD, PRB, PEN, PTN, PHS e PSL.

Impeachment

Quando o PMDB rompeu com o governo Dilma Rousseff, os ex-ministros Celso Pansera (RJ), que assumia a pasta da Ciência e Tecnologia, e Marcelo Castro resistiram à determinação de entregar os cargos. E, apesar das movimentações da legenda à época insinuarem um possível “castigo”, ao sugerir o afastamento de ambos das principais comissões da Casa, a promessa não foi cumprida. Em plenário, os dois também se posicionaram contra o impeachment.

Marcelo Castro contou que a fidelidade a Dilma gerou elogios nas redes socais. O deputado acredita que, se as eleições parlamentares ocorressem agora, teria mais votos do que teve na campanha de 2014.

"Acho que todo o Brasil compreendeu meu gesto. Eu era ministro da presidente. Eu perderia o respeito por mim. Meus colegas e meus eleitores compreenderam perfeitamente. Na posição que eu estava eu não poderia assumir nenhuma postura diferente da que eu assumi", pondera o candidato à presidência da Câmara.

Mais sobre Legislativo em crise

Mais sobre Marcelo Castro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!