Contas no exterior serão foco da Lava Jato em 2016

Segundo coordenador da força-tarefa no Paraná, órgãos de investigação internacionais serão acionados para apoiar a repatriação de recursos e as investigações contra empresas estrangeiras envolvidas no esquema

Os principais objetivos da Operação Lava Jato em 2016 serão: identificar mais contas no exterior utilizadas no esquema de corrupção da Petrobras, intensificar as investigações contra empresas estrangeiras envolvidas no caso e triplicar o número de acusações formais contra os investigados pela força-tarefa.

São essas as prioridades elencadas pelo Ministério Público Federal (MPF), segundo informa reportagem do jornal O Estado de S. Paulo. De acordo com o último levantamento da operação, já foram repatriados R$ 659 milhões de contas no exterior, dos quais cerca de US$ 100 milhões apenas com o ex-gerente da estatal, Pedro Barusco.

Para o coordenador da Lava Jato no Paraná, o procurador da República Deltan Dallagnol, “tem muita coisa por vir ainda”. “Podemos dizer que um número muito pequeno de contas mantidas ilegalmente no exterior por corruptos e corruptores veio ao Brasil”, declarou Dallagnol.

Para alcançar os objetivos, a procuradoria buscará ampliar parcerias com órgãos internacionais de investigação, como na colaboração entre o MPF da Suíça e o brasileiro, que resultou na comprovação da existência de contas no exterior no nome do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Veja a reportagem completa em O Estado de São Paulo

Mais sobre a Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!