Delcídio falta, Conselho de Ética marca novo depoimento e convoca filho de Cerveró

Senador, que deveria ser ouvido hoje, apresentou atestado médico para justificar ausência. Novo depoimento foi marcado para o dia 7. Colegiado decide convocar Bernardo Cerveró, Edson Ribeiro e Diogo Ferreira, pivôs da prisão do ex-líder do governo

O Conselho de Ética do Senado aprovou, nesta quarta-feira (23), requerimentos para convocar o ator Bernardo Cerveró, o advogado Edson Ribeiro e Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral (MS), a deporem no âmbito do processo de cassação do ex-líder do governo. O senador era esperado na reunião de hoje do colegiado para prestar depoimento, mas apresentou outra licença médica e não compareceu. Um novo encontro para ouvir as explicações de Delcídio foi marcado para o dia 7 de abril, às 10h, após o vencimento da licença apresentada.

Bernardo Cerveró é filho do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso na Operação Lava Jato, condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Bernardo foi o responsável pela gravação que incriminou Delcídio. No encontro, o senador ofereceu o pagamento de R$ 50 mil por mês à família Cerveró para que o ex-diretor não fizesse acordo de delação premiada. Assim como o senador, Edson Ribeiro, que era à época o advogado do ex-diretor da estatal, e Diogo Ferreira também foram presos por tentativa de obstruir as investigações da Operação Lava Jato.

Os depoimentos das testemunhas estão marcados para a próxima terça-feira (29), às 14h30. Os senadores lamentaram a ausência de Delcídio e alertaram para o uso de manobras protelatórias por parte do ex-petista. O presidente do colegiado, João Alberto (PMDB-MA), informou que, algumas horas antes do início da reunião desta quarta-feira, recebeu um requerimento de autoria da defesa de Delcídio para suspender todo o processo no Conselho de Ética até que o prazo da licença médica do acusado seja encerrado.

No entanto, os integrantes do colegiado decidiram dar andamento ao caso. "Há uma evidente intenção de procrastinação", disse Lasier Martins (PDT-RS). "Quero alertar para que não se repita aqui o que acontece há meses na Câmara dos Deputados. Que não se repita aqui o mesmo abuso", ponderou o senador, em alusão ao processo de cassação do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que se arrasta desde o fim do ano passado.

Definida a nova data para ouvir o depoimento de Delcídio, os senadores consideraram algumas hipóteses caso o acusado apresente nova licença e não compareça à reunião. Os membros do colegiado levantaram a possibilidade de colher o depoimento do senador por videoconferência, ou por meio de seu advogado, ou até mesmo deslocando uma equipe do Conselho de Ética para São Paulo, onde o senador realiza tratamento médico.

Além da convocação das três testemunhas, também foi aprovado o requerimento do relator do caso, Telmário Mota (PDT-RR), para juntar ao processo as entrevistas concedidas por Delcídio na última semana à TV Globo e à revista Veja. O conselho também resolveu incluir nos autos uma cópia da delação premiada do senador.

Mais sobre Conselho de Ética

Mais sobre Delcídio do Amaral

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!