Conselho de Ética rejeita processo contra Bolsonaro por homenagem a torturador

Parecer do deputado Odorico Monteiro (Pros-CE) foi rejeitado por 11 votos um. PV havia apontado “apologia ao crime de tortura” em elogio a coronel Brilhante Ustra, durante a votação do impeachment na Câmara, em 17 de abril

O Conselho de Ética e Decoro Parlamentar rejeitou há pouco, por 11 votos a 1, o parecer do deputado Odorico Monteiro (Pros-CE) favorável à admissibilidade da representação do Partido Verde (PV) que acusa Jair Bolsonaro de quebra do decoro parlamentar.

Para o PV, o parlamentar fez “apologia ao crime de tortura” durante a votação da admissibilidade do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Na ocasião, Bolsonaro, ao proferir seu voto, homenageou o coronel do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra. Morto em 2015, Ustra era alvo de uma série de acusações de tortura durante a ditadura militar.

Odorico concordou com o argumento da apologia ao crime de tortura e defendeu o prosseguimento do processo com o argumento de que o caso envolve conflitos com princípios constitucionais, como o da dignidade humana.

O parecer do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) pela inadmissibilidade da representação por falta de justa causa e ausência de tipicidade de conduta foi aprovado, em seguida, por 9 votos a 1.

“O que está em julgamento é a inviolabilidade da fala do parlamentar. Se ela pode ser censurada. Não me parece razoável”, disse Rogério.

Mais sobre Legislativo em crise

Mais sobre Conselho de Ética

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!