Conselho abre processo de cassação de Demóstenes

Todos os integrantes do Conselho de Ética seguiram o voto apresentado pelo relator, senador Humberto Costa (PT-PE), que deve levar à perda do mandato do senador goiano

Por unanimidade, os 16 senadores que compõem o Conselho de Ética do Senado aprovaram o relatório preliminar apresentado pelo senador Humberto Costa (PT-PE) pedindo a abertura formal do processo que investigará se houve quebra de decoro parlamentar por parte do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO), acusado de ter mentido em discurso feito em 6 de março, no Plenário da Casa, sobre o seu envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira. Na ocasião, Demóstenes afirmou que só mantinha relações pessoais com o contraventor e que nunca tinha participado de nenhum negócio.  O processo poderá levar à cassação do senador goiano.

 

 

Conselho decide dia 8 abertura de processo contra Demóstenes
Veja a íntegra da defesa de Demóstenes
Demóstenes usa Congresso em Foco em sua defesa

Outros destaques de hoje no Congresso em Foco

Em seu relatório, Humberto Costa afirmou que Demóstenes “faltou com a verdade”, o que configuraria a quebra de decoro. O relator apresentou argumentos com base em discursos e projetos de lei defendidos pelo investigado, e afirmou que ele legislou a favor da legalização dos jogos de azar, principal atividade de Cachoeira em Goiás. A representação que deu origem ao processo, foi apresentada pelo Psol.

A partir de agora, o Conselho poderá ouvir testemunhas, dentre elas Carlinhos Cachoeira, e o próprio Demóstenes, antes da apresentação do relatório final. O senador goiano havia prometido apresentar sua defesa perante o conselho, mas não compareceu à reunião de hoje. Ele foi representado por seu advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay.

Postergação negada

O presidente do Conselho de Ética do Senado, Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) negou, na manhã desta terça (8), o pedido feito pelo advogado do senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) para que o colegiado concedesse um prazo de dez dias para analisar o relatório preliminar que pede a abertura de processo disciplinar.

O pedido foi apresentado ontem (7) pelo advogado do senador, que durante a reunião de hoje não pode se manifestar. "Esta presidência indefere o pedido apresentado, porque pedido semelhante já havia sido feito em reunião anterior. O relatório do senador Humberto Costa não é peça acusatória, mas parte preliminar", disse o presidente. Segundo Valadares, Demóstenes já teve e ainda terá prazo suficiente para se defender. O relatório apresentado foi criticado por Kakay, que afirmou que alguns dos argumentos utilizados por Humberto Costa (PT-PE) em seu relatório não eram de conhecimento da defesa.

Humberto Costa precisa agora apresentar um relatório final que indicará qual a penalidade deverá ser aplicada a Demóstenes. As penas variam desde uma censura à perda do mandato. Nesta parte do processo, Demóstenes poderá se defender no conselho. O senador não compareceu à reunião de hoje e foi representado por seu advogado.

Caso o punição seja a cassação, o parecer definitivo do Conselho de Ética será encaminhado à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) para exame dos aspectos constitucional, legal e jurídico, o que deverá ser feito no prazo de cinco sessões ordinárias.

Assim que for concluída a tramitação no Conselho de Ética e na CCJ, o processo será encaminhado à Mesa Diretora e, depois de lido no expediente, será publicado no "Diário do Senado" e distribuído em avulsos para inclusão na ordem do dia. A cassação precisa ser aprovada em plenário.

Saiba mais sobre o Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!